ATENÇÃO: PT quer banir cristianismo do currículo escolar

A Base Nacional Comum Curricular tiraria das salas de aulas diversas lições de história antiga importantes
O professor e historiador Marco Antônio Villa escreveu em sua coluna no jornal ‘O Globo’ uma acusação ao governo federal dizendo que o Ministério da Educação pretende, sorrateiramente, banir a história do cristianismo do currículo escolar.
Villa critica a Base Nacional Comum Curricular, a proposta do MEC que tira do currículo escolar a História Antiga que trata de assuntos, que pela denúncia, sustentam filosofias que vão contra a ideologia do Partido dos Trabalhadores.
“O Ministério da Educação está preparando uma Revolução Cultural que transformará Mao Tsé-Tung em um moderado pedagogo, quase um ‘reacionário burguês’. Sob o disfarce de ‘consulta pública’, pretende até junho ‘aprovar’ uma radical mudança nos currículos dos ensinos fundamental e médio (…). Nem a União Soviética teve coragem de fazer uma mudança tão drástica como a ‘Base Nacional Comum Curricular’”, afirmou ele.
Aulas que tratam sobre a Mesopotâmia e Egito, por exemplo, não serão ensinadas nas escolas brasileiras e não é só isso. “Da herança greco-latina os nossos alunos nada saberão. A filosofia grega para que serve? E a democracia ateniense? E a cultura grega? E a herança romana? E o nascimento do cristianismo? E o Império Romano? Isto só para lembrar temas que são essenciais à nossa cultura, à nossa história, à nossa tradição”, avisou o professor.
“A proposta é um culto à ignorância. Nenhuma democracia no mundo ocidental tem um currículo como esse. Qual foi a inspiração? A Bolívia de Morales? A Venezuela de Chávez? A Cuba de Castro? Ou Lula, aquele que dissertou sobre a passagem de Napoleão Bonaparte pela China?”, questiona o historiador.

Share/Bookmark

1 comentários:

Unknown disse...

Se for ensinar religião, que ensine todas, ou nenhuma, isto se chama estado laico. Além disto, temos igrejas em todas as esquinas, elas já cumprem bem este papel da maneira certa, sem obrigar ninguém a nada.