ORAÇÕES QUE DESAFIAM NOSSAS PRIORIDADES

“Ora o Deus de esperança vos encha de todo o gozo e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo.” - Romanos 15:13
Quão diferentes são todas as orações de Paulo (e as orações de todos os apóstolos) das orações que inundam a igreja de nossos dias.
As orações apostólicas nas Escrituras desafiam nossas prioridades e retiram o verniz da espiritualidade superficial e expõe nossos sistemas de valores que muitas vezes ´são apenas espelho dos valores do mundo.
Eles (os apóstolos em suas orações) revelam o que nós prezamos, mas não deveríamos. Eles descobrem e revelam o que não devemos abraçar e o que devemos fazer. Se você quiser que o seu mundo espiritual seja abalado em seu núcleo, compare o que Paulo orou com o que você ora.
Caso você não tenha notado, o que eu acho difícil, a Igreja no mundo ocidental está cada vez mais secularizada. Na sua tentativa de ser relevante para a cultura, a igreja está se tornando indistinguível dela. Está se tornando cada vez mais difícil dizer a diferença entre cristãos e não-cristãos.
A igreja não existe para estar de acordo com a cultura, mas pela graça de Deus, está aqui para transformá-la. Então, o que isso tem a ver com Romanos 15:13 ? Simplesmente isto: a oração de Paulo é apenas um dos muitos textos bíblicos que estabelecem que nós, a igreja, devemos ser. Ele descreve os nossos valores, as nossas prioridades, nossas metas. Esta oração é puro evangelho! Ele declara ao mundo: "Aqui está o que pode ser encontrado em Jesus Cristo: alegria, paz e esperança!"Nas orações de Paulo eu descubro o que só Deus pode fazer por mim. Há, sem dúvida, inúmeras bênçãos e virtudes e metas que achamos que estão em nosso poder produzir. Ao olhar para as orações apostólicas do Novo Testamento, eu vejo que eu sou absolutamente dependente da graça de Deus para produzir. Afinal, se Paulo pensasse que algo estava finalmente em nosso para criar ou gerar, ele não incomodaria a Deus pedindo para fazê-lo! Olhando para as orações de Paulo normalmente me desengano e peco a esperança em toda auto-confiança e auto-suficiência e lanço-me nos braços fortes de meu Pai celestial.

Um bom exemplo disto é visto na oração de Paulo por "alegria". Na análise final, só Deus pode criar alegria em Deus. Podemos ter uma “alegria” carnal superficial e momentânea em coisas que são substitutos de Deus, mas só Deus pode criar alegria em Deus.

O salmista ora: "Faça-nos felizes por todos os dias em que nos afligiste" ( Salmo 90:15. ). Estar satisfeito com a beleza e a glória de Deus (que é a essência da alegria!) Não vem naturalmente para as almas pecadoras. Por natureza, voltamo-nos para outra coisa que não Deus, pela alegria que só Ele pode dar.

Os objetivos espirituais que desejamos são em última análise, para além do nosso alcance. As mudanças que desejamos em nossos corações só podem acontecer por um ato soberano da graça de Deus. É por isso que é importante notar como Paulo se refere a Deus: ele é "o Deus da esperança", não só porque ele é o objeto de nossa esperança, embora ele certamente seja isso. Mas ele é a fonte da esperança. Se houver esperança de ser como Ele, nele tento prazer e deleite pleno, e não em coisas, isso deve vir de Deus.

As orações característica de Paulo e outros apóstolos - glorificam a Deus, revelando a extensão da minha necessidade e as profundezas dos recursos de Deus (Que sempre é Ele mesmo) para fornecê-los. Orações como esta: “Ora o Deus de esperança vos encha de todo o gozo e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo.” - Romanos 15:13 - revelam o quão desesperadamente impotentes somos e como Deus é infinitamente rico.

Deus não é glorificado pelos meus esforços para fazer as coisas para ele, mas pela minha confissão de que ele e só ele pode fazer por mim o que a minha alma precisa mais desesperadamente, e, em seguida, através de abençoar os outros e fazer avançar seu reino, levando muitos a só nele se alegrar.

Agora, Deus nos dá isso inesgotavelmente, mas por nos levar a Ele todos os dias, todo o tempo. O cristão deve confiar na força divina, pois os resultados desse plano será sempre o maior avanço da própria glória de Deus – “Com o fim de sermos para louvor da sua glória, nós os que primeiro esperamos em Cristo” - Efésios 1:12

Se as disposições fossem deixadas em nossas próprias mãos, como diz Willian Gurnall (1617 – 1679) “em breve seríamos comerciantes falidos. Deus sabe que somos fracos, como jarros rachados cheios até a boca, o conteúdo em breve iria vazar completamente. Então, Ele nos coloca em uma fonte que flui de Sua força e constantemente nos recarrega dia à dia.

Esta foi a provisão que Ele fez por Israel no deserto: Ele dividiu a rocha, e não só sua sede foi saciada naquele momento, mas a água corria em um córrego após eles, de modo que você não ouvisse mais queixas sobre água. Esta rocha era Cristo. Cada crente tem Cristo, na sua volta, seguindo-o enquanto ele, o cristão caminha, com a força de todas as condições, aflições... sobre ele neste mundo.

Se Deus lhe desse um suprimento vitalício de Sua graça para com você administrar por sua própria conta, você pensaria que ele realmente é muito generoso. Mas Ele é glorificado ainda mais pela conta aberta que Ele estabelece em seu nome. Agora você deve reconhecer não apenas que sua força, alegria e deleite vem de Deus, em primeiro lugar, mas que você está continuamente em dívida para cada retirada dessa força, alegria e deleite que você faz todos os dias em toda a sua vida cristã.

Quando uma criança viaja com seus pais, todas as suas despesas são cobertas por seu pai, e não por si mesmo. Da mesma forma, nenhum santo dirá no céu quando ele chegar lá, "Este é o céu, que eu construí com o poder da minha própria força." Não, a Jerusalém celeste é uma cidade ", cujo arquiteto e construtor é Deus" (Hebreus 11 : 10). Toda a graça é cada pedra nesse edifício,a graça põe todas elas lá, você não põe nenhuma.

As orações apostólicas por coisas que o mundo jamais pediria, pois estão focados em seus próprios egos e não na satisfação encontrada em Deus e em Sua glória – mostra como Deus não foi apenas o fundador, o iniciador, mas o benfeitor também a cada dia e para terminar o mesmo. A glória do trabalho não será desmembrada em pedaços, alguns de Deus e outros para a criatura. Tudo será creditado inteiramente a Deus.” - William Gurnall
Crendo nisso, Paulo ora.
Por Josemar Bessa - Púlpito Cristão

Share/Bookmark

0 comentários: