Pernilongo também pode transmitir doenças? Entenda o risco

O Culex quinquefasciatus também é chamado de pernilongo ou muriçoca
Talvez você só dê bola para os mosquitos quando eles atrapalham o seu sono. Mas agora que o Aedes aegypt virou o grande vilão da transmissão de doenças como dengue, zika, febre amarela e chikungunya, fica a dúvida: os pernilongos também são um problema sério?
O mosquito da espécie Culex quinquefasciatus, conhecido como pernilongo ou muriçoca, é bem mais comum nas cidades brasileiras que o Aedes, embora não seja um vetor de doenças tão poderoso.
O Aedes chama a atenção pela capacidade de adaptar-se e resistir às adversidades, o que o faz viver mais que a média dos mosquitos e carregar os vírus na saliva por mais tempo. Ao contrário do pernilongo, o 'mosquito da dengue' tem hábitos de alimentação flexíveis e pode picar de noite ou de dia.
Mas apesar de não carregar tantas doenças, o Culex transmite, por exemplo, febre do Nilo Ocidental, febre de Mayaro e encefalite de Saint Louis.
A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) também investiga se ele é capaz de passar os vírus da zika, da dengue e da chikungunya. "Ninguém nunca testou", disse a pesquisadora Constância Ayres, que coordena o estudo. Ela lembra que a primeira epidemia da zika aconteceu na Micronésia, que não é habitat do Aedes aegypti, o que sugere que outras espécies atuaram como vetor da doença.
Atualmente, o que se sabe de concreto é que o pernilongo transmite doenças sérias, com potencial de epidemia, mas sem a atual abrangência da dengue ou da zika. Segundo o professor Francisco Chiaravalloti Neto, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), o maior perigo do Culex é a transmissão da febre amarela, mas para esta doença já existe vacina.
As outras dependem da circulação das pessoas contaminadas. "Não é o mosquito que faz o vírus se movimentar, mas o homem – seja pelo trabalho ou pelas rotas de êxodo pelo país", ressalta Adriano Mondini, professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unesp (Universidade Estadual Paulista).
A matéria continua no link abaixo:

Entenda os riscos e onde os vírus estão

Silva Junior/FSP
Silva Junior/FSP

Febre de Mayaro

É uma doença que causa febre, cefaleia e edema nas articulações --sintomas semelhantes aos da febre chikungunya. O vírus Mayaro, que também pode ser transmitido pelo Aedes, é considerado endêmico (recorrente) no Norte e Centro-Oeste, especialmente na região Amazônica. Há registro recente em Pantanal (MS), Sinop e Cuiabá (MT). Houve surtos em 1955, na área de Belém (PA), e entre 2014 e 2015, em nove Estados, especialmente Goiás, Pará e Tocantins.
AFP
AFP

Febre do Nilo Ocidental

A infecção, que já matou mais de 2.000 pessoas nos EUA nos anos recentes, acomete humanos e animais. Os sintomas vão desde febre e dores nas articulações a quadros graves de encefalite (inflamação do cérebro) ou meningite (inflamação das membranas do cérebro), mas só se manifestam em 20% das pessoas. Apenas 1% dos casos é grave. No Brasil, só houve um caso: um trabalhador rural no Piauí, em 2014. A doença, porém, existe em todos os continentes. Nos EUA, foram registrados mais de 36 mil casos até 2012, 16 mil deles, graves.
Vincent Robert/IRD/AFP
Vincent Robert/IRD/AFP

Encefalite de Saint Louis

Em 2006, foi registrado um surto da doença em São José do Rio Preto (SP). Também já houve casos na região Amazônica e em São Paulo. Em geral, a encefalite não causa nenhum sintoma, sendo muitas vezes confundida com resfriado ou dengue, o que atrapalha a notificação. No entanto, pode matar ou deixar sequelas como disfunção motora residual e/ou psicológica. Os sintomas também podem evoluir para meningite e complicações no sistema nervoso central.
Divulgação
Divulgação

Elefantíase

A fêmea do Culex é vetor da Wuchereria bancrofti, verme (helminto) causador da elefantíase, doença que já chegou a atingir, de forma endêmica, cidades das regiões Norte e Nordeste do Brasil, mas que atualmente está praticamente erradicada.

Share/Bookmark

0 comentários: