DAR À LUZ JÁ VIROU CASO DE POLÍCIA NO PAJEÚ

O título desta matéria não poderia ser diferente haja visto que vidas humanas estão sendo colocadas em risco diariamente no Pajeú, ou melhor, nas estradas que ligam o Pajeú a outras regiões que já saíram da idade média. Infelizmente, as gestantes que vão ao Hospital Regional Emília Câmara em Afogados da Ingazeira a fim de darem à luz, acabam tendo que passar por uma verdadeira via crúcis, como foi por outras vezes denunciado aqui neste blog.
Devido uma falta de compromisso dos governantes com esta parcela tão especial, sensível e delicada que são as gestantes em trabalho de parto, uma unidade de saúde tida como “regional” por ter sido criada com o objetivo de atender os munícipes da região em suas necessidades básicas, unidade esta custeada e administrada por apadrinhados do Governo do Estado, não consegue em pleno século XXI, com toda tecnologia e verbas para tudo no mundo, manter uma simples e única equipe médica e equipamentos necessários para que nossas gestantes possam concluir o milagre da vida perto de suas residências e familiares.
Em contraste com a virgem Maria que deu a luz ao Criador, em paz e em uma simples manjedoura de um estábulo, aqui neste “Sertão de meu Deus”, é necessário que as gestantes enfrentem uma longa odisseia, e se debatendo dentro das confortáveis ambulâncias por estas fabulosas estradas, tentam a sorte de chegarem inteiras aos grandes centros, sem antes dar a luz nos fétidos banheiros dos postos de gasolina ou até mesmo dentro dos apertados veículos.
Quando digo que virou caso de polícia, foi que dessa vez, além das negligências corriqueiras e do mal atendimento costumeiro, a jovem iguaraciense Maria Luiza Pereira da Silva, de 19 anos de idade, residente a Rua Maria de Lourdes, Bairro Santa Ana em Iguaracy, por falta de médicos no Regional (como sempre), foi transferida para a capital para dar a luz, chegando lá, a médica que atendeu disse que ainda não era o momento e mandou-lhe de volta para casa, ao chegar em Iguaracy, a “bolsa” estourou, foi levada rapidamente ao Hospital Regional, onde finalmente “descansou”, e descansou entre aspas, pelo fato de ter dado a luz, mas infelizmente, por falta de uma incubadora adequada, seu bebê João Miguel não resistiu e veio a óbito! 
Quem atendeu a jovem no Recife e a liberou, certamente, pode desde já, creditar a morte de um inocente em seu currículo, já aqui no Pajeú, faltam equipamentos, faltam médicos e sobra descaso por parte das autoridades que poderiam fazer alguma coisa para por fim a este martírio! ALÔ GOVERNADOR! AS GESTANTES DO PAJEÚ CLAMAM POR SOCORRO!!!
Veja a entrevista no vídeo acima realizada pelo nosso Repórter Bruno Júnior.
Por Sérgio Coelho – Blog Tv Web Sertão

Share/Bookmark

1 comentários:

Anônimo disse...

Boa Tarde!
Poderia começar pelo município,que poderia também ter uma equipe profissional pra da uma pequena assistência,porque já começar pelo próprio município que enviar pra outra cidade,se o município também dessa assistência não precisava viajar,se todos os municípios dessa o minimo e básico assistencia ao pacientes não precisava se deslocar pra outro municipio,porque é um descaso ir ao hospital de Iguaracy e depois ir pra o regional,todas as vezes que fui ao regional fui bem atendida,mesmo vendo a superlotação e reclamações de varias pessoas que não tem medico nos municipios,que corre tudo pra o regional,quero agradecer a todos os profissionais que atuam no Hospital Regional de Afogados.