Atirador invade velório, e toca o terror em cidade da PB. Repórter que cobria o momento pulou o muro da casa e cinegrafista deu no pé.

Uma equipe da TV Correio HD em Campina Grande foi testemunha de uma tentativa de crime ao presenciar um homem armado invadir um velório e efetuar disparos de arma de fogo.
O bandido fez familiares e amigos do morto como refém e, segundo testemunhas, poderia assassinar uma pessoa no local.
A repórter, o cinegrafista e o auxiliar da TV Correio que acompanhavam o velório conseguiram escapar do bandido quando a repórter pulou o muro da casa e o cinegrafista e o auxiliar correram pela rua.
De acordo com a repórter Mayara Medeiros, o velório, que acontecia no bairro da Palmeira e era de um homem morto durante uma tentativa de assalto, ainda não havia começado porque o corpo não tinha chegado na casa dos familiares.
“Eu estava entrevistando familiares da vítima quando um homem chegou em frente a casa atirando para cima e mandando todo mundo entrar. Havia muita gente no local. Eu entrei correndo e o cinegrafista junto com o auxiliar deitaram no chão. Todo mundo estava nervoso e o último a passar fechou o portão da casa. Eu corri para o quintal da casa”, contou a repórter.
Porém, o que as vítimas do bandido não tinham notado era que ele havia conseguido entrar dentro da casa e feito algumas pessoas como refém, o que só foi percebido após um policial a paisana tentar arrombar o portão da casa.
“Todos estávamos nervosos e tentando se esconder quando um outro homem começou a forçar o portão da casa. Houve gritaria, que só acabou quando o rapaz disse que era policial a paisana e que tinha ouvido os tiros. Foi ai que todas as pessoas viram que o bandido tinha entrado dentro de casa e que havia feito reféns”, disse Mayara.
A repórter contou que, ao saber que o bandido havia entrado na casa, temeu pela vida e conseguiu escapar da casa pulando um muro do quintal, se escondendo na residência vizinha.
“Quando eu soube que o bandido havia entrado tive medo e pensei que ele estava lá para tirar satisfação por conta da reportagem. Nisso, eu corri e consegui pular o muro do quintal, caindo em um caco de vidro que estava no chão da casa vizinha. Não liguei para dor e comecei a pedir para entrar na casa, mas a moradora não permitia. Quando me identifiquei como repórter ela abriu e eu consegui me esconder”, relatou Mayara Medeiros.
Minutos após se esconder, a repórter foi informada que o bandido havia conseguido fugir, pulando o mesmo muro que ela. O cinegrafista e o auxiliar também conseguiram escapar do bandido ao correrem para uma rua ao lado no momento em que o criminoso havia entrado na casa.
Para a repórter, a sensação foi de alívio, mas também de preocupação. “Quando soube que o bandido tinha fugido eu sai e consegui ver meus companheiros. Tive que ir em uma unidade de saúde para retirar o caco de vidro do braço e enfaixar o corte. Estou bem, mas fica a preocupação com a nossa segurança”, afirmou Mayara.
Entenda o crime
O velório que iria ser realizado na casa era de um homem que foi assassinado durante uma possível tentativa de assalto na noite do domingo (5).
Segundo a Polícia Militar, a vítima iria para um ensaio de uma quadrilha junina e estava em frente a uma casa com um grupo de pessoas no bairro Monte Santo, quando dois homens chegaram e anunciaram o assalto. Testemunhas relataram que o homem fez um movimento para tirar a carteira da cintura para dar aos criminosos quando um dos bandidos efetuou um disparo, atingindo a vítima.
O rapaz ainda foi socorrido para o Hospital de Emergência e Trauma em Campina Grande, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.
Por Halan Azevedo

Share/Bookmark

0 comentários: