“Ouro é nosso, mas a glória é de Deus”, disse herói da Seleção

O futebol masculino brasileiro possuía três pratas (Los Angeles 1984, Seul 1988 e Londres 2012) e dois bronzes (Atlanta 1996 e Pequim 2008). Este ano, em casa, veio o esperado ouro.
Desde o início desta Olimpíada, havia uma grande cobrança sobre o time, por que era o único ‘título’ que a seleção não possuía. Nos dois primeiros jogos, nenhum gol marcado e parte da imprensa já falava com pessimismo sobre a ambição de medalha.
Para os jogadores, as críticas eram injustas. A vitória sobre a Alemanha veio nos pênaltis, após o empate no tempo regulamentar e na prorrogação.
Na saída do campo, o repórter Eric Faria, da Rede Globo, chamou vários jogadores para comentar o jogo. O primeiro a falar foi o zagueiro Marquinhos. Em tom de desabafo, lembrou das críticas que o time vinha recebendo. “Os humilhados serão exaltados”, disse, uma citação parcial do versículo de Ezequiel 21:26. Em seguida, o técnico Rogério Micale também agradeceu a Deus pelo título.
Contudo, ninguém comemorou mais que o goleiro Weverton. Ele não estava na convocação oficial para os Jogos Olímpicos. Foi chamado três dias antes, após o titular Fernando Prass foi cortado por lesão. Acabou sendo o grande “herói” desta conquista inédita para a Seleção.
Eric Faria afirmou que “o destino” quis que ele fosse o escolhido para defender a meta do Brasil. Corrigindo o repórter, o arqueiro deu um belo testemunho de fé.
“Não foi o destino, foi Deus. Ouro é nosso, mas a glória é de Deus. Deus me trouxe aqui para falar o que ele fez”, comemorou. Para a SporTV, afirmou: ” Muita gente tentou, mas Deus botou essa geração para fazer história e a gente fez”.
Disse ainda que havia conversado com Neymar, que é de família evangélica, que Deus havia lhe dado uma segunda chance. Neymar foi medalha de prata em Londres 2012.
Para a imprensa especializada, Weverton se transformou em herói ao pegar o último pênalti batido por Petersen, o último dos alemães. Sua defesa foi fundamental, pois garantiu a vitória do Brasil sobre a Alemanha – seleção que foi algoz no histórico 7 a 1 da Copa de 2014.
100% Jesus
No pódio, chamou atenção o fato de Neymar voltar a usar a faixa branca com os dizeres “100% Jesus”. O jogador usava uma similar quando era criança e ainda jogava futebol de salão. Quando foi campeão paulista pelo Santos, em 2012, a exibiu-a pela primeira vez como jogador profissional. Na Europa, causou polêmica no ano passado, na comemoração da Champions League, campeonato de futebol mais importante da Europa.
Seu time, o Barcelona, venceu a Juventus por 3 a 1. Depois do encerramento da partida, o craque foi visto orando no meio do campo. Alguns meios de comunicação apagaram digitalmente a inscrição. Em vídeos da FIFA, a mensagem foi “censurada” após as críticas de que o jogador tentava “impor sua religião”. (Gospel Prime)

Share/Bookmark

0 comentários: