Cardeal desmente papa: “Cristãos e muçulmanos não adoram o mesmo Deus”

Raymond Burke não acredita que Alá seja um deus de amor
De acordo com o cardeal Raymond Burke, ex-chefe do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica, a mais alta corte teológica dentro do Vaticano, o papa está errado.
“Muçulmanos e cristãos não adoram o mesmo Deus, uma vez que Alá é um “governante”, enquanto o cristianismo “baseia-se no amor”. Esse é mais um ponto de discórdia entre ele e o pontífice, que estão em meio a uma disputa teológica sobre os ensinamentos morais que envolvem a família.
Em uma entrevista recente ao jornal Catholic Register, o cardeal norte-americano destacou que essa “crença moderna de que o Islã e o Cristianismo são fundamentalmente os mesmos é muito influenciada por um relativismo religioso”.
Enfatizou ainda que é preciso cautela. “Eu ouço pessoas me dizendo, olha, estamos todos adorando ao mesmo Deus. Nós todos acreditamos no amor. Mas eu digo: ‘pare um minuto, e vamos examinar cuidadosamente o que é o Islã e o que nossa fé cristã nos ensina’. Eu não acredito nisso, pois o Deus do Islã é apenas um governante”, lembra Burke. “A sharia é sua lei, e essa lei, que vem de Alá, acabará sufocando cada homem na terra.”
O cardeal contrasta com o princípio do cristianismo, que possui “uma lei fundamentada no amor”. Para o teólogo, não se pode esquecer que “essa lei [cristã] está escrita em nosso coração, sendo iluminada pelo espírito. Recebemos a graça divina para viver de acordo com essa lei”. Além disso, não existe no Alcorão uma ligação de Alá com o conceito de amor, que é o centro da mensagem de Jesus aos seus discípulos.
Em seu livro Hope for the World: To Unite All Things in Christ [Esperança para o mundo: Unindo todas as coisas em Cristo], ele aborda essa questão a fundo. O título da obra, baseado em Efésios 1:10, pode parecer enganoso, pois sua abordagem é bem diferente dos ensinamentos do papa Francisco, o qual defende que cristãos e islâmicos são “irmãos” e que os membros de todas as religiões são “filhos do mesmo Deus”.
Burke definitivamente não pensa assim. Conhecedor profundo dos ensinamentos do islamismo, ele sabe que o cristianismo e o Islã diferem na natureza de suas leis, especialmente na abordagem sobre a conquista de convertidos. Temos de lembrar que “o que eles acreditam mais profundamente, aquilo propuseram em seus corações, é a exigência de que governem o mundo”, assevera.
Estado Islâmico: “Matem os descrentes”
Curiosamente, os jihadistas do Estado Islâmico (EI) na última edição de sua revista eletrônica, Dabiq, disseram a mesma coisa. Eles criticaram Francisco por sua afirmação de que “a leitura adequada do Alcorão mostra que o Islã se opõe a toda forma de violência”.
Para os membros do EI, o Papa Francisco “luta contra a realidade” nos seus esforços para retratar o Islã como uma religião de paz. Por isso, lembram a todos os muçulmanos que assumir a espada da jihad é a “maior obrigação” de um fiel verdadeiro.
Argumentam ainda que o líder católico – e todos os cristãos que pensam como ele – “tem lutado contra a realidade” em seus esforços para retratar o Islã como uma religião de paz. Na revista, fazem questão de asseverar: “De fato, a jihad – espalhar a lei de Alá pela espada – é uma obrigação encontrada no Alcorão, a palavra de nosso Senhor”.
“O sangue dos descrentes deve ser derramado obrigatoriamente. A ordem é clara. Matem os descrentes, como disse Alá: “Matai os idólatras, onde quer que os acheis” [Sura 9:5]”, ressalta outra parte do texto.

Share/Bookmark

0 comentários: