PREFEITURA DE CARNAÍBA

Para entender melhor microcefalia, pesquisadores acompanham gestantes sem sintomas de zika

Para atentar entender melhor as consequências do vírus da zika na gravidez, um grupo de pesquisadores se juntou para estudar a microcefalia. As primeiras etapas da pesquisa incluíam apenas mulheres que apresentavam os sintomas da infecção, mas agora o estudo acompanha também mulheres assintomáticas.
“Elas são recrutadas no primeiro trimestre de gravidez e observamos aquelas que vão desenvolver e aquelas que não vão desenvolver infecção. Entre aquelas que vão desenvolver infecção, as que desenvolvem alguma sintomatologia e as que não desenvolvem nenhuma sintomatologia”, explica o coordenador da pesquisa em Pernambuco, Ricardo Ximenes.
Ao todo, dez mil mulheres foram convidadas para participar da pesquisa. São quatro mil distribuídas entre Pernambuco, Bahia, São Paulo e Rio de Janeiro. As outras, seis mil, estão sendo acompanhadas na Colômbia, Porto Rico, na Guatemala e Nicarágua. Em Pernambuco, são 229. Dessas, 11% tiveram zika após aderir à pesquisa.
A intenção dos pesquisadores é que os dados obtidos no estudo possam estabelecer e nortear novas políticas para o enfrentamento do vírus. O acompanhamento dessas gestantes é feito duas vezes por mês. A cada 15 dias, a mulher informa como anda a gravidez e faz uma coleta de urina. Já a cada 30 dias, ela, além da coleta de urina, ainda coleta sangue, secreção vaginal e saliva.Daniele da Silva é uma dessas mulheres que aderiu à pesquisa. Ela acredita que foi infectada antes da gravidez. “Tive muita dor de cabeça, dor no corpo, manchas, febre. Aí eu peguei, fui na UPA [Unidade de Pronto Atendimento]. Porém, o diagnóstico nunca saiu”, conta.
Os pesquisadores tentam não deixar escapar nada que acontece durante a gestação. No questionário, perguntas desde produtos de beleza a de higiene pessoal, passando por produtos de limpeza doméstica. “São perguntas referentes à saúde dela, como ela tem passado, com relação a algum produto que ela tenha usado de higiene pessoal”, diz a enfermeira Rosenely Pereira.
Para a neuropediatra Vanessa Van Der Linden, que acompanha bebês com a Síndrome Congênita da Zika, o levantamento é muito importante para entender a extensão da infecção.
“A partir do momento que se avalia a mãe que teve zika, eu vou poder saber quanto dessas mães que tiveram zika tiveram bebês afetados. Pode ter uma mãe que teve zika e o bebê não teve nada. Dos bebês que foram afetados, quantos vão ter essa forma grave, com microcefalia, quantos vão ter uma forma mais leve, que vão nascer com o perímetro encefálico normal, e quantos talvez tenham até outros problemas que a gente não sabe. Sei lá, a criança pode ter só uma dificuldade de aprendizagem. Isso é uma coisa que é uma interrogação ainda”, pontua. (G1)

Compartilhe: WhatsApp, Faceboock, etc...

0 comentários: