PREFEITURA

xxxxxxxxxxxx

Banqueiro vê onda Bolsonaro como a de Lula em 2002. “Quanto mais apanhar, mais vai crescer”, diz.

Um dos mais representativos banqueiros do país acredita que a onda Bolsonaro nas eleições está cada vez mais parecida com a que elegeu Lula em 2002. Desta vez, porém, o movimento não é de esperança, mas de repúdio a tudo o que se viu nos últimos anos, de corrupção, desmandos e degradação da imagem dos políticos. “O país cometerá um grande erro”, diz.
Para esse banqueiro, a sensação que se tem é de que, quanto mais Bolsonaro apanhar dos concorrentes e da mídia, mais ele vai crescer nas pesquisas de intenção de votos. “Não duvido da possibilidade de Bolsonaro ser eleito no primeiro turno. Nossas pesquisas internas mostram um apoio enorme a ele nas periferias das grandes cidades”, afirma.
DESDENHARAM – Na avaliação do banqueiro, faltou visão estratégica dos candidatos mais moderados, comprometidos com um ajuste fiscal e com reformas como a da Previdência Social. “Ficou todo mundo olhando para o próprio umbigo, desdenhando da candidatura de Bolsonaro. Agora, acordaram para o perigo que o capitão do Exército se transformou. Tomara não seja tarde para combatê-lo”, ressalta.
Esta semana será marcada por grande tensão, que começou neste domingo (10/06), com a divulgação de novas pesquisas eleitorais pelo Datafolha e passará pela reunião do Federal Reserve (Fed), o Banco Central dos Estados.
Fonte/NBO

Compartilhe: WhatsApp, Faceboock, etc...