Censo começa em agosto e terá dados publicados ainda em 2022

O Censo 2022 começa em 1º de agosto, mesmo se houver contratempos como um repique da pandemia, segundo o presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Eduardo Rios Neto. Ele disse que o órgão está preparado para isso e que o Brasil precisa desses dados.
Além de garantir a realização do Censo em 2022, o IBGE quer acelerar a divulgação dos resultados da pesquisa. O objetivo é publicar a contagem populacional dos municípios ainda neste ano e todos os outros resultados em 2023, na internet.
“Estamos avaliando a possibilidade de fazer uma divulgação no estilo dashboard, com painéis, para que as pessoas tenham acesso aos dados mais rapidamente. O país está precisando dessas informações”, afirmou Eduardo Rios Neto.
Censo
O Censo é realizado a cada 10 anos e estava previsto para 2020, mas foi adiado nos últimos 2 anos por causa da pandemia de covid-19 e de problemas orçamentários. O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou, contudo, que o governo federal realizasse o Censo em 2022.
Eduardo Rios Neto disse que o Censo é fundamental para a elaboração de políticas públicas e para a repartição de verbas entre os municípios brasileiros. Por isso, deveria seguir a periodicidade, mesmo diante de desafios como a pandemia de covid-19.
“O Censo é a única investigação domiciliar que vai a todos os municípios brasileiros. Então, traz atributos socioeconômicos que são fundamentais para o planejamento federal, estadual e municipal. E isso está muito defasado”, afirmou.
Ele falou ainda que o orçamento solicitado para a pesquisa foi inteiramente aprovado neste ano e será suficiente, apesar do avanço da inflação. “A maior parte é para os recenseadores, mas tem o custo variável do transporte e nisso se insere combustível, aluguel de veículos. Isso sofreu um aumento muito grande depois da elaboração. Mas estou otimista”, afirmou.
O IBGE planeja fazer a coleta do Censo nos meses de agosto, setembro e outubro, revisar os dados em novembro e divulgar os primeiros resultados já em dezembro. Segundo Rios Neto, a divulgação dos últimos Censos levou quase 2 anos, mas a tecnologia deve permitir uma publicação mais rápida desta vez.
Segundo ele, a proteção dos dados dos brasileiros também está assegurada. “O IBGE tem compromisso com o sigilo estatístico de longa data. Não tem um caso sequer de vazamento de informações individuais. Oportunamente, eu até gostaria que o IBGE liderasse discussões nessa área”.
Questionário
O Censo trará inovações neste ano, como a coleta das coordenadas geográficas de cada domicílio visitado no país. “Agora, além do endereço, o Censo terá georreferenciamento do domicílio. […] No Morro da Oficina [em Petrópolis], por exemplo, teria pontos em cima da lama onde eram domicílios. Isso, em termos de emergências, será muito importante no futuro”, falou.
O Censo não deve ter, contudo, questões sobre a população LGBTQIA+. O Ministério Público Federal (MPF) acionou a Justiça Federal no Abre para que o IBGE inclua perguntas sobre identidade de gênero e orientação sexual no Censo 2022. Porém, Eduardo Rios Neto disse que o prazo é muito curto para isso e que esta não é a pesquisa ideal para tratar do assunto.
“É uma ilusão achar que, com uma canetada, vai medir bem. […] Como a gente vai atribuir aos indivíduos uma questão tão íntima como a identidade de gênero se uma pessoa fala pelos outros moradores do domicílio no Censo?”, afirmou. Além disso, falou que o IBGE já divulgará dados sobre a orientação sexual dos brasileiros de forma inédita em 25 de maio.
Pandemia
Segundo Eduardo Rios Neto, o Censo ajudará a captar o impacto da pandemia de covid-19 na população brasileira, já que vai notificar os óbitos ocorridos nos últimos anos. Ele espera que o Censo mostre uma alta dos mortos e uma redução dos nascimentos no Brasil. Porém, diz que esses efeitos podem ser passageiros.
“Quando aumentam os óbitos, a expectativa de vida cai. Mas a grande pergunta é se, com o fim da pandemia, os óbitos voltam à tendência de queda. Isso pode acontecer, mas existe a dúvida de qual o timing disso”, afirmou.
Ele seguiu: “Em pandemia, a prudência faz com que as pessoas adiem ter filhos. É possível que a taxa de fecundidade caia mais que o esperado. […] Mas pode vir a ter um mini baby boom, porque, depois que o número de nascimentos cai, costuma ter um repique”.
Próximos desafios
O IBGE pedirá ao governo a realização de concurso público em 2023. Além disso, pretende discutir o uso da tecnologia em suas pesquisas depois do Censo. “Temos o desafio de redefinir várias coletas usando big data. Agora, não pode ser muito açodado. É uma bravata que toda coleta deveria ser virtual. O Brasil é muito heterogêneo. A gente tem que modernizar, mas sem abrir mão das agências”, afirmou Eduardo Rios Neto.

Betano: Apostas Esportivas - Faça seu Jogo Online

ANÚNCIOS WEB SERTÃO - (87) 98821-5232