https://www.facebook.com/pg/saudeiguaracy/posts/?ref=page_internal

Dados da Moderna sobre vacina são insuficientes, dizem especialistas

Segundo a empresa, vacina teria produzido anticorpos em voluntários
Testes em pequena escala e em estágio inicial para uma vacina experimental para a covid-19, produzida pela empresa norte-americana de biotecnologia Moderna, não garantiram dados críticos necessários para que sua eficácia seja avaliada, informou nessa terça-feira (19) o site Stat News, focado em Saúde, citando especialistas.
A reportagem derrubou as ações da empresa, baseada em Cambridge, no estado de Massachusetts, e apagou ganhos modestos no índice S&P 500.
A Moderna disse, na véspera, que a vacina experimental, a primeira que será testada nos Estados Unidos, produziu anticorpos protetores em pequeno grupo de voluntários saudáveis.
A notícia, embora baseada em dados iniciais de apenas oito pessoas e sem a intenção de avaliar a eficácia do produto, elevou as ações da Moderna em 20% na segunda-feira (18).
A Moderna anunciou posteriormente uma venda de ações que poderia levantar mais de US$ 1,5 bilhão.
O Stat News citou especialistas da área de saúde, que disseram que a Moderna não ofereceu dados suficientes em seu comunicado à imprensa para que o produto seja avaliado.
As questão citadas pelo Stat News incluíram:
- falta de dados sobre respostas ao medicamentos de outros participantes no estudo com 45 indivíduos.
- falta de informações sobre a idade dos oito indivíduos cujos anticorpos foram analisados, ponto importante pelo fato de que o vírus é especialmente letal para pessoas mais velhas.
- falta de comentários sobre o parceiro da Moderna e do governo dos EUA no desenvolvimento da vacina, o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas.
- os dados são baseados em respostas iniciais à vacina, deixando em dúvida quanto tempo a imunidade produzida pela vacina pode durar.
A Moderna não respondeu imediatamente a um pedido da Reuters por comentários.
As ações da empresa fecharam em queda de 10,4%.
Por Manojna Maddipatla- Repórter da Reuters - Londres