Mãos ao alto: Petrobras eleva em 3,5% gasolina de refinarias. No ano, avanço atingiu 51%.

A Petrobras elevará a gasolina nas refinarias em cerca de 3,5% a partir desta quinta-feira, acompanhando a elevação nos patamares internacionais do petróleo, disse a companhia nesta quarta-feira, confirmando a segunda alta do combustível fóssil desde a posse de Joaquim Silva e Luna como presidente da estatal em abril.
Com o avanço, gasolina da petroleira será vendida às distribuidoras em média por 2,78 reais por litro, uma alta de 0,09 real por litro.
Em nota à imprensa, a Petrobras confirmou informação repassada pela empresa a agentes do mercado, conforme revelou mais cedo a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom).
O preço do diesel, por sua vez, foi mantido estável.
No acumulado do ano, a gasolina da Petrobras subiu cerca de 51% enquanto o diesel avançou cerca de 40%. Já o petróleo Brent acumula alta de cerca de 38%.
A Petrobras disse em nota que “o alinhamento dos preços ao mercado internacional é fundamental para garantir que o mercado brasileiro siga sendo suprido sem riscos de desabastecimento”.
Além disso, reforçou que a empresa evita o repasse imediato para os preços internos da volatilidade externa causada por eventos conjunturais.
Antes da gestão Luna, os reajustes de combustíveis foram mais frequentes, o que desagradou o presidente Jair Bolsonaro.
“Nossos preços seguem buscando o equilíbrio com o mercado internacional e acompanham as variações do valor dos produtos e da taxa de câmbio, para cima e para baixo”, declarou.
O repasse dos reajustes da Petrobras aos consumidores finais nos postos não é garantido nem imediato e depende de uma série de questões, como impostos, margens de distribuição e revenda além de misturas de biocombustíveis.
Defasagens
O presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), Sérgio Araújo, disse à Reuters que apesar do reajuste ainda há defasagens nos preços da gasolina em alguns portos. No entanto, destacou o esforço da petroleira.
“Vemos que a atual gestão da Petrobras está buscando acompanhar as variações dos preços no mercado internacional, como deve ser”, afirmou.
O tema de alta dos preços dos combustíveis tem sido uma questão polêmica do governo de Jair Bolsonaro.
Desde que Luna assumiu a presidência da empresa, em 19 de abril, a estatal havia realizado duas reduções de preços da gasolina e uma alta, enquanto no diesel houve uma alta e uma queda.
Luna substituiu Roberto Castello Branco, que deixou a empresa devido a descontentamento de Bolsonaro com mudanças mais frequentes nas cotações efetuadas pela administração anterior.
Na semana passada, o diretor-executivo de Comercialização e Logística, Cláudio Mastella, admitiu que a companhia contribui com o governo sobre as discussões para a formulação de um fundo de estabilização de preços de derivados e comentou ainda que a necessidade de ajustes de preços foi reduzida no segundo trimestre devido ao movimento de cotações do petróleo e do câmbio.