Famíliares de João Lucas, executado em Jabitacá, cobram condenação em júri popular

Familiares do jovem João Lucas Alves de Souza, morto com vários disparos de arma de fogo em julho de 2019, no distrito de Jabitacá, estão em frente ao Fórum de Afogados da Ingazeira cobrando justiça para três acusados por articular e executar sua morte.
Ele era sobrinho do ex-candidato a vereador Naé, de Sertânia. A vítima morava no distrito e quando conversava com outros amigos na praça dos quiosques naquela localidade chegou um motoqueiro e desferiu contra ele vários tiros, atingindo e matando-o no local. “Queremos justiça, não vingança”, diz Jaqueline Alves, irmã da vítima.
O jovem vítima de homicídio morava em Jabitacá com sua mãe. Dezenas de pessoas pedem justiça. Segundo a investigação, João Lucas foi morto porque a mãe de uma jovem que se relacionava com ele, identificada como Irene Lopes, não aceitava o relacionamento. João Lucas tinha acabado de chegar de São Paulo e era tido como uma pessoa alegre e pacata.
Segundo o IC, a vítima apresentava pelo menos 10 perfurações no corpo e cabeça. Populares recolheram 15 cápsulas de calibre 380 e um projétil. Além da mãe, acusada de autora intelectual, um segundo indivíduo identificado por Luciano é acusado de articular a ação e Robervânio da execução. Um conhecido como Gilmar Bezerra, compadre de Irene, está foragido. Eles negam o crime. (Informação via blog de Nill Júnior)

ANÚNCIOS WEB SERTÃO - (87) 98821-5232