Incrível: Um caixa de banco desapareceu com 250 mil dólares há 52 anos, e finalmente o encontraram

É 1969 em Cleveland, Ohio, e o caixa do banco Theodore Conrad está prestes a cometer o crime final. Com mais de US$ 200.000 escondidos em um saco de papel, ele sai pela porta e entra em uma vida de infâmia que duraria mais de 50 anos. Mas agora as autoridades finalmente o localizaram – praticamente no último lugar que alguém poderia esperar.
Antes do assalto de Conrad, os jornais estavam cheios de histórias sobre a próxima missão Apollo 11 e a Guerra do Vietnã. Mas nos dias e meses que se seguiram ao roubo, a questão de seu paradeiro estava na boca de todos. Será que um pequeno criminoso de 20 anos realmente teve sucesso onde tantos falharam, roubando o equivalente a US$ 1,7 milhões antes de aparentemente desaparecer?

Durante décadas, as autoridades caçaram Conrad, seguindo pistas nos Estados Unidos. Mas a cada vez, eles voltavam de mãos vazias. Com o passar dos anos, parecia que o ladrão estava escorregando cada vez mais longe de seu alcance. Então, uma pista os levou a um subúrbio despretensioso da cidade – onde o enigma foi resolvido de uma vez por todas.
Keep Watching

E Conrad estava acostumado com a vida em movimento. Seu pai, Edward, havia trabalhado para a Marinha dos EUA, o que significava que sua família frequentemente ia de um lugar para outro. Após o divórcio de seus pais, no entanto, ele finalmente se mudou com sua mãe e irmã para Lakewood, Ohio – uma pequena cidade nos limites de Cleveland.

Lá, Conrad estudou na Lakewood High antes de viajar centenas de quilômetros pelo país para se matricular no New England College, em New Hampshire. E a princípio, ele parecia ser um aluno modelo, atuando até mesmo como presidente de classe durante seu primeiro ano. Mas esse sucesso não durou. Depois de apenas um semestre, ele voltou para sua família em Cleveland.

De volta a Ohio, o jovem conseguiu um emprego como caixa no Society National Bank. Isso ajudou a pintá-lo como um membro respeitável da comunidade. Mais tarde, os investigadores até escreveram: “Para todas as aparências, Conrad era aquele garoto americano cujo caráter não foi questionado e parecia ser um modelo de responsabilidade durante um período turbulento”.

Nos bastidores, porém, Conrad estava cultivando uma obsessão sombria e perigosa. Em 1968, o filme de Steve McQueen, Thomas Crown - A Arte do Crime, foi lançado – um sucesso de bilheteria no qual um assalto multimilionário é realizado por um executivo de banco em Boston. E o jovem contador logo se apaixonou pela história de glamour e intriga.
Segundo quem conhecia Conrad, ele começou a se vestir e atuar como Thomas Crown, o personagem de McQueen no filme. Alegadamente, isso se estendeu até a compra de um cupê esportivo MG e o desenvolvimento de uma paixão por bilhar e golfe. Mas não eram apenas as armadilhas do luxo que ele procurava recriar.
Aparentemente, Conrad, como Crown, também adorava quebrar as regras. Em um relatório compilado a partir de notas dos investigadores, observou-se que o caixa às vezes furtava – embora mais por gratificação emocional do que por qualquer recompensa financeira. E em pouco tempo, ele estava se gabando para seus amigos sobre a realização de um assalto a banco.
Segundo relatos, Conrad explicou exatamente como ele iria realizar um roubo na Society National Bank. Aparentemente, seu plano envolvia fugir com uma grande quantidade de dinheiro em uma sexta-feira, dando a si mesmo um fim de semana inteiro para desaparecer antes que alguém percebesse o que havia acontecido. É claro que seus amigos descartaram esses planos como uma fanfarronice – até que ele cumpriu sua palavra.
Na sexta-feira, 11 de julho de 1969, Conrad chegou ao trabalho como de costume e ocupou-se com suas tarefas rotineiras. Como caixa, ele tinha acesso ao cofre do banco e estava acostumado a lidar com grandes quantias em dinheiro. Na verdade, os relatórios afirmam que ele costumava lidar com centenas de milhares de dólares – o equivalente a milhões hoje.
Mesmo mais de 50 anos depois, os eventos exatos daquele dia permanecem obscuros. De acordo com o site de notícias local Cleveland.com, Conrad se encontrou com seu amigo Russell Metcalf para almoçar – embora ele não tenha revelado nada sobre seu plano iminente. Acredita-se que ele foi a uma loja de bebidas e comprou uísque e cigarros antes de voltar ao trabalho.
De volta ao banco, Conrad continuou seu turno normalmente, dando pouca indicação do caos que estava prestes a desencadear. Mas quando ele saiu ao fim do dia, ele estava carregando mais de US$ 200.000 em dinheiro - US$ 150.000 em notas de US$ 100 junto com várias quantias menores. Surpreendentemente, parece que ele simplesmente colocou o dinheiro em um saco de papel, cobriu-o com uísque e cigarros e foi embora.
Depois, Conrad não perdeu tempo. Segundo relatos, ele foi visto saindo de seu apartamento com pouco mais que uma pequena mala a tiracolo. Em seguida, ele viajou para o Aeroporto Internacional de Cleveland e desapareceu imediatamente. Três dias depois, o banco percebeu que o dinheiro - e seu funcionário - haviam sumido.
Em pouco tempo, Conrad era notícia de primeira página. Ele era o jovem caixa que havia imitado seu herói e fugido com uma fortuna em dinheiro. E quando o FBI e as autoridades locais começaram a investigar, relatos de avistamentos inundaram todo o país. Com o passar das semanas e meses, porém, o ladrão continuou a evitar a captura.
Talvez, alguns especularam, ele tenha fugido para o oeste para aproveitar o clima mais quente e o estilo de vida descontraído da Califórnia? Mais tarde, os investigadores descobriram uma trilha de papel que sugeria que ele realmente passou algum tempo no Golden State. Na época, no entanto, os supostos avistamentos em Inglewood, na Califórnia, não revelaram nenhuma pista concreta.
De acordo com um comunicado do US Marshals Service, os investigadores também checaram possíveis avistamentos em Washington, DC, Texas e Oregon. Então, cerca de três meses após o crime, um casal de Cleveland começou a conversar com um estranho no bar de um hotel em Waikiki, Havaí. Aparentemente, ele sumiu assim que eles mencionaram seu estado natal – mas não antes de revelar alguns detalhes incriminadores.
“Ele tinha um apartamento”, disse David Siler, vice oficial de justiça dos EUA, à KITV-TV em 2017. “Aparentemente, ele estava alugando aquele apartamento, então… isso significa que ele teve contato com alguém – um senhorio, alguém. E ele estava pagando em dinheiro, obviamente.”
Apesar dessa pista, nenhum vestígio de Conrad foi encontrado – nem no Havaí ou em qualquer outro lugar. E, por mais de 50 anos, o caso permaneceu sem solução. Para John Elliott - outro vice oficial de justiça que havia investigado o roubo na época - levar o fugitivo à justiça tornou-se uma obsessão para toda a vida.
Após o desaparecimento de Conrad, Elliott conduziu entrevistas com sua família e amigos, em busca de pistas que pudessem esclarecer o caso. De acordo com o Cleveland.com, ele também começou a coletar documentos, incluindo amostras da caligrafia do caixa, na esperança de que algum dia ajudassem a desvendar o enigma. Mesmo depois de se aposentar em 1990, ele permaneceu comprometido em ver seu inimigo atrás das grades.
“Uma das razões pelas quais fiquei atrás desse cara é que algumas pessoas pensavam que ele era algum tipo de herói ou Robin Hood”, disse Elliott ao jornal de Ohio The Plain Dealer em 2008. “Ele não é. Ele não passava de um ladrão - um jovem... ladrão que conseguiu iludir a aplicação da lei por todos esses anos. Espero que possamos levá-lo à justiça em breve.”
Na verdade, Elliott estava tão focado em capturar Conrad que passou parte de sua obsessão para seu filho Peter, que se tornou um oficial de justiça dos EUA em 2003. Juntos, os dois discutiram o crime e trocaram documentos relacionados ao caso de décadas. Infelizmente, porém, John faleceu em 2020, nunca tendo visto o mistério resolvido.
Então, pouco mais de um ano após a morte de Elliott, um homem chamado Thomas Randele estava morrendo de câncer de pulmão em sua casa em Lynnfield, Massachusetts. Ele estava em seus 70 e poucos anos, e sua esposa Kathy e filha Ashley estavam ao seu lado. E enquanto dava seus últimos suspiros, ele fez uma confissão que as deixaria cambaleando em choque.
Randele, descobriu-se, era Conrad. Ele mudou de nome depois de realizar o roubo em 1969. E essa não foi a única coisa que ele fez para evitar a captura ao longo dos anos. Segundo relatos, ele também alterou sua data de nascimento, tornando-se dois anos mais velho do que realmente era.
Logo, a notícia da existência de Randele chegou a Peter Elliott, que prontamente pescou todos os registros de seu pai relacionados ao caso Conrad. Em seguida, ele dirigiu centenas de quilômetros para o leste até Boston, onde pôde entrevistar a família do morto. E, enquanto ele falava com eles, as últimas peças do quebra-cabeça finalmente se encaixavam.
Conrad, ao que parece, passou os meses após o roubo voando de um lugar para outro antes de se estabelecer em Lynnfield, em algum momento de 1970. Apropriadamente, sua cidade natal adotiva foi o cenário para Thomas Crown - A Arte do Crime - o filme que deu início à sua obsessão com crimes de alto risco.
Em Lynnfield, Conrad, agora Randele, tornou-se um pilar da comunidade local. Além de começar sua própria família, ele nutriu a paixão pelo golfe e embarcou em uma carreira de vendedor de veículos de luxo. Mas o que aconteceu com todo esse dinheiro? E como ele conseguiu viver tão normalmente enquanto estava com uma fortuna?
Bem, pelo menos no momento, as autoridades não sabem exatamente como Randele conseguiu gastar o dinheiro. Mas eles sabem que ele faliu em 2014, sugerindo que nada restou do assalto. Na verdade, para todos os efeitos, ele parece ter vivido uma vida normal em grande parte.
De acordo com o Cleveland.com, Randele tinha uma boa relação com a polícia local – irônico, dado seu status contínuo de homem procurado. Falando ao site em 2021, Elliott disse: “Ele era amigável e conhecido na comunidade. Ele simplesmente não era quem dizia ser.”
Eventualmente, os investigadores conseguiram confirmar a verdadeira identidade de Randele. E mesmo que o pai de Elliott tivesse falecido antes que ele pudesse ver Conrad levado à justiça, sua determinação obstinada ainda ajudou a descobrir a verdade. No final, os arquivos e papéis que ele coletou desempenharam um papel vital no rastreamento do ligeiro ladrão.
“Meu pai nunca parou de procurar por Conrad e sempre quis o encerramento do caso até sua morte em 2020”, disse Elliott em um comunicado datado de novembro de 2021. “Conseguimos combinar alguns dos documentos que meu pai descobriu dos dias de faculdade de Conrad na década de 1960 com documentos de Randele que levaram à sua identificação.”
“Sinto-me bem pelo meu pai”, disse Elliott ao Cleveland.com. “Este foi o caso número um em sua vida. Nós conversávamos sobre isso na mesa de jantar o tempo todo quando eu era criança. Ele sempre disse que iria encontrar [Conrad]. Eu só queria que ele ainda estivesse aqui para ver isso.” Mas embora a verdadeira identidade de Randele tenha sido finalmente revelada, muitos vão se lembrar dele sob uma luz diferente.
Tomemos, por exemplo, Kathy Randele, que não tinha ideia do roubo de seu marido até sua confissão no leito de morte. Quando perseguida por comentários pela imprensa, ela simplesmente respondeu: "Ainda estou de luto pela perda do meu marido, que era um grande homem". E um obituário publicado online não fazia menção alguma a Cleveland ou Ohio.
No entanto, surpreendentemente, revelou que Randele ainda se apegava a alguns aspectos do passado de Conrad. Aparentemente, ele manteve os nomes de seus pais, Edward e Ruthabeth, os mesmos, e continuou a dizer às pessoas que ele havia frequentado o New England College. Não foi uma reinvenção total, então – embora tenha sido suficiente para mantê-lo fora do radar das autoridades por mais de 50 anos.
Enquanto isso, em Cleveland, Metcalf sempre se perguntou o que havia acontecido com seu ex melhor amigo. A certa altura, os dois estavam tão próximos que o FBI o observou como um falcão após o roubo, convencido de que Conrad poderia contatá-lo. Mas o par nunca conseguiu se reconectar – ou, pelo menos, é o que Metcalf afirma.
“Diga o que quiser sobre ele, mas Ted era uma boa pessoa”, disse Metcalf ao Cleveland.com. “Acreditava que poderia vê-lo, mas agora vou ter que esperar.” Falando ao site, ele também relembrou um incidente antes do crime. Isso, ele sustentou, provou que Conrad tinha sido um homem decente.
A família de Metcalf foi pega em um tornado mortal que devastou um parque de Cleveland poucos dias antes do assalto. E ele ficou emocionado quando seu amigo saiu imediatamente em busca de seus entes queridos desaparecidos. Ele disse ao Cleveland.com: “É assim que sempre me lembrarei de Ted”.
Por enquanto, porém, Conrad continua sendo um criminoso – pelo menos no papel. O Tribunal Distrital dos EUA de Cleveland ainda mantém acusações contra ele por falsificação de registros bancários e peculato de seu antigo local de trabalho. Mas com a morte de Randele, espera-se que sejam anuladas, pondo um fim à saga.
“Espero que meu pai esteja descansando um pouco mais hoje sabendo que sua investigação e seu Serviço de Delegado dos Estados Unidos encerraram esse mistério de décadas”, disse Elliott no comunicado, antes de acrescentar: “Tudo na vida real nem sempre termina como nos filmes." Mas, para Conrad, que nunca enfrentou a justiça por seus crimes, todo o incidente deve ter tido apenas um toque de razzmatazz de Hollywood.
Certamente, a vida de Conrad não foi tão glamurosa quanto a de Thomas Crown, que escapou para uma vida de luxo presumido. Mas ele ainda conseguiu o que parecia impossível quando saiu do Society National Bank naquele dia de julho. E se ele não tivesse decidido confessar, o segredo provavelmente teria ido com ele para o túmulo.

Betano: Apostas Esportivas - Faça seu Jogo Online

ANÚNCIOS WEB SERTÃO - (87) 98821-5232