Com déficit 10.950 policiais militares, SDS confirma concursos em Pernambuco

Com um dos maiores déficits de policiais militares da história, o secretário de Defesa Social, Humberto Freire, confirmou, nesta quinta-feira (04), que haverá novos concursos na área de segurança em Pernambuco.
Atualmente, segundo a Polícia Militar de Pernambuco, faltam 10.950 profissionais na corporação. O ideal seriam ter 27.672 PMs na ativa, mas só há 16.722. Os dados foram atualizados em julho de 2022.
De acordo com Humberto Freire, haverá editais para vagas nas polícias Militar, Civil e Científica (peritos, auxiliares de peritos) e no Corpo de Bombeiros. “Já temos o quantitativo necessário para o Estado”, disse, sem informar quantas vagas serão abertas para cada corporação.
Segundo o secretário, ainda neste segundo semestre os editais serão publicados para inscrição dos candidatos. Os aprovados devem iniciar os cursos de formação somente em 2023.
Idade máxima para concurso da Polícia
Uma das novidades que podem ser anunciadas em breve é a idade máxima para os candidatos às vagas de soldado da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros. Há um indicativo – em estudo – para que pessoas com até 30 anos possam ingressar nas corporações, caso aprovadas nos concursos.
Investimentos em segurança no segundo semestre
O governo de Pernambuco anunciou o investimento de R$ 25 milhões em equipamentos para as forças de segurança. O montante é destinado à compra de 8 mil coletes balísticos de uso individual, além de mais de 5 mil pistolas das fabricantes Beretta e Glock e munições.
“São armamentos reconhecidos internacionalmente como de ponta. Além disso, haverá acréscimo de 50% em relação ao quantitativo atual de coletes balísticos, visando a dotar cada profissional com seu equipamento individual, o que prolonga a vida útil do material. Isso é importante para a atividade desses policiais que, com o seu trabalho, têm contribuído para reduzir a criminalidade”, destacou Freire.
O secretário ainda informou que, em breve, será lançado o edital para aquisição de câmeras de videomonitoramento que serão instaladas nas vias públicas. O objetivo é sair de 400 para mais de 2 mil equipamentos, que irão auxiliar o policiamento e as investigações.