Faturamento de lojas físicas no Brasil cresce 22% no primeiro semestre, diz estudo

Pesquisa da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) mostra aumento da movimentação de clientes e vendas no comércio de rua e dos shopping centers
O faturamento das lojas físicas do país cresceu 22% no primeiro semestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2021, de acordo com o levantamento de Índices de Performance do Varejo, organizado pela HiPartners Capital & Work em parceria com a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC).
Segundo o estudo, as vendas subiram 28% nos estabelecimentos de rua e 40% nos negócios em shopping centers.
O aumento foi notado junto com o crescimento da movimentação do público, com uma alta de 48% na comparação entre o primeiro semestre deste ano e o do ano passado. A evolução do fluxo em lojas dentro de shoppings foi maior, 57%, enquanto dos estabelecimentos de rua, de 18%.
A pesquisa também analisou a presença dos clientes em junho deste ano em comparação com o mesmo mês de 2021. O fluxo aumentou 25% nas lojas físicas e 21% em lojas dentro de shopping centers.
Segundo o levantamento, as vendas e o faturamento também acompanharam o aumento na movimentação em 12 meses. O número de compras subiu 22% nas lojas físicas e 26% nas lojas em shoppings. Já o faturamento cresceu 18% e 11%, respectivamente nessas categorias.
O fluxo geral de visitantes no varejo em junho caiu 3%, na comparação com o mês anterior. Os estabelecimentos em shoppings sofreram mais, com queda de 5%, enquanto as lojas situadas em ruas tiveram retração de 3% no fluxo.
Com isso, a quantidade de compras teve uma redução de 12% nas lojas de rua e 10% em lojas dentro de shopping centers, no mesmo comparativo. Já o faturamento recuou 10% e 8%, respectivamente.
Para Flávia Pini, sócia da empresa responsável pelo levantamento, a queda é pontual. “É natural que aconteçam picos e vales, mas o importante é que, na curva mês a mês desse ano, o fluxo e as vendas vêm numa crescente”, afirmou.
Expectativa para o segundo semestre
Flávia Pini, sócia da HiPartners Capital & Work, destacou que a expectativa do setor é mais otimista para a segunda metade do ano.
“Vemos que, em relação a 2021, existe sempre um crescimento expressivo porque as pessoas ainda estavam começando a sair de casa. Além disso, existem outros fatores, como inflação e taxa de desemprego altas, então tínhamos um varejo bem reprimido”, disse.
“Mas a situação vem melhorando gradualmente e a perspectiva para o resto do ano é ainda melhor, com expectativa de queda na inflação e no desemprego, junto com grandes eventos do segundo semestre, como Black Friday e Natal”, pontuou.
Para o economista Gilberto Braga, do Ibmec-RJ, o movimento físico nas lojas e shoppings tem relação com o aumento da cobertura vacinal da população.
“Na medida em que cada vez mais pessoas estão vacinadas, mais elas sentem que o pior da pandemia já passou e passam a retomar aos velhos hábitos. Somado a isso, temos uma demanda reprimida, já que na pandemia os hábitos de consumo se adaptaram àquela realidade e agora, tendo mais liberdade de circulação, eles se adaptam ao novo momento”, afirmou o economista.
“Um exemplo disso é o vestuário, que apresenta um grande crescimento esse ano e mostra uma recomposição do armário das pessoas. Durante dois anos, compramos mais roupas para home office ou para ficar em casa e agora a tendência é comprarmos roupas para ambientes sociais”, completou.
*sob supervisão de Pauline Almeida
- CNN Brasil