Mostrando postagens de Maio 11, 2016Mostrar tudo

Hoje na TV de nosso blog: votação AO VIVO do Impeachment direto do Senado

Enquanto isso... Substituto de Waldir Maranhão já ganhou 12 vezes na loteria em 14 dias

O deputado federal Fernando Giacobo (PR-PR) é o segundo vice-presidente da Câmara dos Deputados e é quem deve assumir o posto, caso Waldir Maranhão (PP-MA) decida renunciar ao cargo de presidente interino. O histórico do paranaense é cheio de controvérsias. Em 1997, ele ganhou R$ 135 mil na loteria 12 vezes em 14 dias. Na época, ele atribuiu o feito à sorte e disse que jogava muito.
Ao contrário de Maranhão e de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afastado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Giacobo não é investigado pela Operação Lava Jato. No entanto, ele já foi réu em três ações na Suprema Corte, mas todas elas prescreveram.

Placar do impeachment deve influenciar mercados

Nesta quarta-feira (11), com a expectativa de aprovação do impeachment da presidente Dilma Rousseff já amplamente refletida nos preços dos ativos domésticos, o mercado aguarda o resultado da votação no plenário no Senado que decidirá sobre o afastamento da presidente. 
De acordo com o site Valor Econômico, um placar amplamente favorável à aceitação do processo de impeachment na casa será visto como um termômetro sobre o apoio político em um possível governo do vice-presidente Michel Temer. "Se o placar for amplamente favorável ao impeachment poderemos ver uma reação positiva nos mercados, pois pode indicar um apoio maior a um governo de Michel Temer", diz Daniel Weeks, economista-chefe da Garde Asset Management.

Anchieta Patriota será o candidato a prefeito de Carnaiba pelo grupo da situação

Depois de ter lançado o nome da esposa Cecilia Patriota e posteriormente do filho Vitor Patriota, que não obtiveram exito, o médico Anchieta Patriota (PSB) será mesmo o candidato a prefeito de Carnaíba nas eleições de outubro.
Enquanto o grupo da oposição realiza uma pesquisa no município envolvendo os nomes do ex prefeito Didi da Felicidade (PTB), do ex vereador Dr. Clóvis Lira (PMDB), do comerciante Aldo Santana (PMDB), do ex vereador Anchieta Alves (PT), do Cabo Espedito Lisboa (PR) e do funcionário Publico Júlio César (PV), Anchieta que governou o município por dois mandatos já sinaliza oficialmente sua tentativa de retorno ao Poder Executivo de Carnaíba.
Enquanto Anchieta se lança, fica o incógnita sobre quem será seu candidato a vice prefeito, haja que outros nomes lutam pela vaga que deverá ser conquistada pelo atual Presidente da Câmara Junior de Mocinha.
Por outro lado, o atual vice prefeito Jeovani Adriano que perdeu o espaço para Antônio Venâncio que disputará o Legislativo pode surpreender se ficar fora da chapa. 
Já a terceira via, liderada pelo atual vereador Luiz Alberto da Silva (PTC), começa cai na graça da população. (Cauê Rodrigues)

São José do Egito: Polícia Efetua prisão de homicida

Diante de levantamentos realizado pela equipe Malhas da Lei e 3° CPM/23°BPM, na manhã de hoje, quarta feira, as equipes policiais realizaram diligências vindo a localizar o foragido da justiça Marcos José da Costa Silva, 38 anos, no bairro conhecido como Alto da Bela, em São José do Egito.
O citado foragido possui mandado de prisão em seu desfavor, expedido pela Comarca de Tuparetama por um homicídio qualificado no ano de 2012. A ocorrência foi encaminhada à DP de São José do Egito para as devidas medidas legais.

Ocorrências registradas na área do 23º BPM, no dia 10 de maio de 2016.


DANO/RECUSA DE PAGAR DESPESAS/VIAS DE FATO - Afogados da Ingazeira-PE
CAPTURA DE SENTENCIADO -  Tabira-PE
PRISÃO POR MANDADO - Santa Terezinha-PE
ACIDENTE DE TRÂNSITO COM VÍTIMA FATAL - Afogados da Ingazeira-PE
VIOLÊNCIA DOMESTICA - Afogados da Ingazeira-PE
VEÍCULO ABANDONADO - Afogados da Ingazeira-PE

Sertão de PE mantém 30 casos de bebês com microcefalia; confira a listagem

Segunda etapa de mutirão da Secretaria de Saúde de Pernambuco para avaliação de bebês com suspeita de microcefalia. Foto: Miva Filho/Divulgação).
A Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE) divulgou o novo boletim nessa terça-feira (10) com os casos de microcefalia no Sertão de Pernambuco. Segundo o levantamento são 30 bebês confirmados com a malformação, número igual ao do último boletim, que saiu na última terça (3).
O município de Petrolina segue com 8 casos confirmados e 18 suspeitos. A cidade de Ouricuri possui 5 confirmados e 24 suspeitas. Enquanto que Exu tem 14 casos suspeitos e 4 confirmações feitas pela Secretaria de Saúde. Em Araripina, são 11 suspeitas e 3 bebês confirmados com a malformação. Os municípios de Moreilândia e Salgueiro, cada um tem duas confirmações, e respectivamente, 5 e 13 suspeitas. Já Santa Cruz, Santa Filomena, Serrita e Parnamirim, cada um tem um caso confirmado, e respectivamente: 4,2,6 e 9 bebês com suspeitas.
De acordo com o boletim as seguintes cidades ainda não apresentam casos confirmados, apenas suspeitas. Afrânio (1), Belém do São Francisco (2), Cabrobó (3), Cedro (4), Dormentes (1), Granito (1), Ipubi (10), Lagoa Grande (0), Orocó (2), Santa Maria da Boa Vista (5) e Terra Nova (2).
De 1º de agosto de 2015 até o dia 7 de maio de 2016, foram notificados 1.930 casos de microcefalia foram notificados em Pernambuco. Desse total, 813 casos (42%) atendem aos parâmetros da organização mundial de saúde (OMS) para microcefalia. Ao todo, 351 foram confirmados como microcefalia e 997 foram descartados. (G1 Petrolina)

Em uma semana, PE notifica 9.654 suspeitas de dengue zika e chikungunya

Pernambuco notificou, em apenas uma semana, 9.654 casos suspeitos de arboviroses, as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. No mesmo período de sete dias, o estado registrou 2.355 novas confirmações de dengue, febre chikungunya ou vírus da zika e descartou 3.562 suspeitas dessas doenças. Os dados fazem parte do boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) nessa terça-feira (10).
A maior parte das notificações foi de chikungunya, com 5.843 novos casos suspeitos notificados com relação ao boletim anterior, divulgado no dia 3 de maio. Em segundo lugar, vem a dengue, com 3.619 notificações a mais quanto ao último informativo. Em seguida, está a zika, com 192 novas notificações.
Com relação às confirmações, Pernambuco apresenta 1.218 novos casos de dengue e 1.137 de chikungunya. Já o número de pacientes que tiveram o diagnóstico confirmado da zika permaneceu inalterado de uma semana para outra: são 23 no estado. Também não mudou a quantidade de casos descartados da zika, que continua em 171. O estado também descartou o mesmo número de suspeitas de dengue e chikungunya em uma semana, ambas com 1.781 descartes.
Neste ano, de 3 de janeiro e 7 de maio, Pernambuco notificou 70.784 casos da dengue em 184 municípios e no distrito de Fernando de Noronha, com a confirmação de 13.538 deles. O último boletim da secretaria registrava que 67.165 casos da doença estavam sendo investigados, dos quais 12.320 pacientes tiveram diagnóstico confirmado da doença.
Com relação às notificações de chikungunya, Pernambuco conta com 24.521 casos suspeitos, dos quais 4.869 foram confirmados e 6.775 descartados, em 184 municípios e em Fernando de Noronha. No boletim anterior divulgado pela SES, foram 18.678 notificações, com 3.732 confirmações e 4.994 suspeitas descartadas, em 169 cidades do estado e em Fernando de Noronha.
Também foram notificados, em 142 municípios do estado e em Fernando de Noronha, 9.408 casos suspeitos do vírus da zika, enquanto, no último boletim da secretaria, foram 8.914 notificações. A quantidade de óbitos confirmados por arboviroses permanece a mesma da semana anterior, sendo 20 mortes por chikungunya e cinco por dengue. Os demais 186 óbitos suspeitos de arboviroses continuam em investigação.
G1 Caruaru

Polícia flagra homens com revólver e 16 munições intactas em Serra Talhada, PE

Na noite dessa terça-feira (10), por volta das 20 h, dois indivíduos foram presos no bairro Bom Jesus em Serra Talhada, Sertão Pernambuco, após denúncia de populares. Segundo informações da ROCAM e equipe da Polígono do Sítio dos Nunes, os elementos encontravam-se armados portando um revólver calibre 38.
Identificados como Paulo Leite Fabrício e Cícero Israel Vieira Leite, foram encontradas 6 munições intactas com o primeiro e 10 com o segundo. (Âncora do Sertão )

Postos terão que seguir padronização na ordem de exibição do preço dos combustíveis

Atualmente, para abastecer o veículo, o consumidor precisa pesquisar bastante o melhor preço. Este hábito tem se tornado mais comum com os frequentes aumentos no setor, mas, apesar de saudável para o bolso, a atitude costuma dar trabalho aos motoristas pela forma desordenada que os valores são apresentados nos painéis dos postos de combustível. Essa dificuldade deve acabar em breve, já que um projeto de lei de autoria do deputado Diogo Moraes (PSB), promulgado pela Assembleia Legislativa de Pernambuco, vai determinar a ordem de exibição do preço dos combustíveis nos 1.350* postos do Estado a partir de junho.
“O objetivo da proposta é evitar que o consumidor se confunda ao visualizar o valor do produto, evitando transtornos para os clientes na hora do abastecimento. A padronização vai oferecer informações de forma ordenada, facilitando a identificação do combustível do seu interesse e o respectivo preço, além de favorecer a rápida comparação entre os preços praticados pelos outros estabelecimentos”, explica o deputado.
De acordo com o texto da lei, a exibição do preço dos combustíveis respeitará a seguinte ordem: Gasolina Comum, Aditivada, Premium e Premium Aditivada; Etanol Comum, Aditivado, Premium e Premium Aditivado; Diesel comum, aditivado, S10 e S10 aditivado; Diesel marítimo, GNV e Querosene. Na ausência de um dos produtos, vale o subseqüente. A Lei 15.754/2016 passa a vigorar no dia 28 de junho, 90 dias após a sua publicação. A regulamentação ficará a cargo do Poder Executivo. Nos casos de infração, o estabelecimento vai responder às sanções que vão de multa até intervenção administrativa.Do JC

SENADO DECIDE HOJE SE AFASTA DILMA ROUSSEFF DA PRESIDÊNCIA

O plenário do Senado vota nesta quarta-feira (11) se aceita ou não iniciar o julgamento da denúncia que pede o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). São necessários os votos da maioria simples da Casa, isto é, de 41 dos 81 senadores, para o processo avançar.
Caso o Senado acolha o pedido, a presidente é notificada e pode ficar afastada por até 180 dias –se o julgamento não acabar nesse prazo, ela volta ao cargo. O vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP) assume a Presidência interinamente, com poderes plenos. Se os senadores decidirem não levar adiante a cassação do mandato de Dilma, a denúncia é arquivada e fica extinto o processo contra Dilma.
Os senadores votam o relatório da comissão especial do Senado que recomendou o impeachment de Dilma por 15 votos a favor e 5 contra, na última sexta-feira (6), após ter analisado a documentação encaminhada pela Câmara dos Deputados e ouvido especialistas tanto da acusação quanto da defesa.

Horas de discursos
A sessão de votação está marcada para começar às 9h e pode se estender até a madrugada de quinta-feira (12). Os trabalhos devem se iniciar com a leitura da parte conclusiva do parecer do relator Antonio Anastasia (PSDB-MG). Ele pode falar no plenário.
Todos os 80 senadores, exceto o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), poderão discursar por um período de 10 a 15 minutos para justificar sua posição. Calheiros espera que não mais do que 60 senadores se manifestem. Estão previstas duas interrupções da sessão: às 12h, com retorno às 13h; e às 18h, com volta às 19h.
A defesa de Dilma também tem o direito de se pronunciar. Só então a votação começa.
A estimativa do Senado é que a votação em si, eletrônica e aberta, seja breve e dure cerca de cinco minutos. Os parlamentares vão votar ao mesmo tempo, com seus votos aparecendo no painel eletrônico do plenário.
Não haverá, portanto, manifestações como na votação do impeachment de Dilma no plenário da Câmara, no dia 17 de abril. Na data, quando a denúncia foi aprovada por 367 deputados (com 137 votos contrários e sete abstenções), grande parte dos deputados utilizou o microfone para homenagens pessoais, deixando de lado o mérito da questão.

Relatora petista consegue aprovar matéria autorizando ensinar sobre sexo e identidade de gênero nas escolas de Pernambuco


Comissão de Justiça rejeita matéria que proíbe debate sobre sexualidade nas escolas
O veto à discussão sobre identidade de gênero e sexualidade nas escolas de Pernambuco recebeu parecer contrário da Comissão de Justiça nesta terça (10). A medida está prevista no Projeto de Lei nº 709/2016, de autoria do deputado Joel da Harpa (PTN), e pretende regular a atuação de educadores, tanto em instituições públicas quanto privadas, além de desautorizar “a utilização de meio pedagógico que conduza a concepções ideológicas condizentes a gêneros e orientação sexual.”
Rejeitado por unanimidade, o texto cita como ponto de partida para a interdição ao debate sobre sexualidade o Plano Estadual de Educação, cujo projeto recebeu emendas na Alepe para suprimir referências ao combate à discriminação de gênero. A decisão desfavorável do colegiado encerra a tramitação da matéria na Assembleia Legislativa – salvo haja recurso ao Plenário assinado por 25 deputados.
Relatora da proposição, a deputada Teresa Leitão (PT) contestou a legitimidade do PL para limitar a liberdade de ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento. “A medida viola a autonomia didática das instituições de ensino, prevista na Constituição e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação”, argumentou. A petista ainda registrou ressalva ao uso do termo “ideologia de gênero”, empregado na redação da norma.
Edilson Silva (PSOL) pontuou que, além dos vícios formais, a proibição não condiz com o contexto de violência contra a mulher e contra a população LGBT vivenciado pela sociedade. “Onde, se não nas escolas, nós vamos travar esse debate? A persistência do machismo nos obriga a estimular a formação de homens e mulheres sensíveis e tolerantes, e é no ensino que essa concepção cultural precisa ser incentivada”, defendeu.

PMDB no Facebook: "Falta pouco para unir o Brasil"

A poucas horas do início da sessão de votação no Senado que poderá afastar a presidente Dilma Rousseff do mandato por até 180 dias, o PMDB, partido do vice-presidente Michel Temer, do qual é presidente licenciado, utilizou as redes sociais nesta terça-feira (10) para publicar, até com um certo tom de provocação, o que espera dos próximos tempos. Na página nacional do partido no Facebook, em uma arte postada com a foto de Temer, está encaixada a frase “Falta pouco para unir o Brasil e fazer um governo sem rancor e sem ódio”. A postagem foi acompanhada das ‘hashtags’ ‪#‎UnidosComBrasil,‪#‎SomosTemer, ‪#‎OBrasilQuerMudar e ‪#‎OBrasilVaiMudar, tendo, até as 21h desta terça, 5,2 mil ‘curtidas’ e 2,1 mil compartilhamentos.

Pernambuco pode ocupar três Pastas no Ministério de um futuro Governo Temer

A poucos passos do poder, o ministério do virtual presidente Michel Temer já tem 13 nomes certos até a tarde desta terça-feira dia (10). Temer pretende assumir a Presidência com 22 ministros.
Salvo mudança de última hora, os 13 definidos são: Henrique Meirelles (Fazenda), Eliseu Padilha (Casa Civil), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), Blairo Maggi (Agricultura), Bruno Araújo (Cidades), Gilberto Kassab (Comunicacões e Ciência e Tecnologia), Osmar Terra (batizado, por ora, de Ministério Social), Alexandre de Moraes (Justiça), Sarney Filho (Meio Ambiente), Romero Jucá (Planejamento), José Serra (Relações Exteriores), Ricardo Barros (Saúde) e Maurício Quintella (Transportes).
O deputado federal Mendonça Filho (DEM-PE) deverá chefiar a Educação, pasta que receberá a Cultura. É nome praticamente certo. No entanto, há detalhes a discutir.
No Esporte, tem uma questão a ser resolvida. Perdeu força a possibilidade de o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), ganhar o posto, apesar de ainda não ter sido descartada. Essa pasta pode ser assumida pelo PRB, mas este partido achou pouco. Há discussão sobre essa posição.
A Integração Nacional poderá entrar numa composição política com o Senado. Há possibilidade de o PSB, que estava cotado para dirigir a pasta com o deputado Fernando Bezerra Filho (PE), ser deslocado para as Minas e Energia.
O PTB queria o Ministério do Trabalho e apresentou nomes a Temer, mas, com a volta de Armando Monteiro ao Senado, a legenda demonstrou interesse em ocupar o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Temer também avalia um nome de peso empresarial ou com interlocução com os agentes econômicos para essa posição. Uma composição com outro partido não pode ser descartada.
Existe a possibilidade de um cientista integrar o segundo escalão da pasta de Kassab, a que resultará da fusão de Comunicações com Ciência e Tecnologia.
Temer avalia um nome para a Defesa. Ainda há pontos a serem decididos para que Henrique Eduardo Alves fique com o Turismo.
A Secom (Secretaria de Comunicação Social) deverá perder o status de ministério, mas será chefiada por uma pessoa de extrema confiança de Temer, o jornalista Márcio de Freitas, que assessora o atual vice-presidente há muitos anos.
A CGU (Controladoria Geral da União) pode ter um ministro indicado por um senador. O presidente do Banco Central perderá o status de ministro, mas deverá continuar a responder a processos perante o STF (Supremo Tribunal Federal). Temer cogita editar uma medida provisória nesse sentido.
Por ora, essas são as principais definições de Temer, que ainda negocia ajustes no primeiro escalão. (Via: Blog do Kennedy)

CORRUPTO: Como professor fantasma, Waldir Maranhão abocanhou R$ 368 mil em seu estado

Com a evidência que o presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA), ganhou no exercício do poder, vieram à tona as falcatruas que o mesmo faz ou fez na política.  
A primeira foi seu filho morar no Sudeste e trabalhar por lá como médico, mas ser funcionário do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão com salário de R$ 7,5 mil, sendo que não aparecia para o expediente.
Agora, o jornal O Estado de S. Paulo divulgou a informação de que o deputado maranhense deixou o meio acadêmico, mas o meio acadêmico não saiu dele. Nos últimos anos, o presidente interino da Câmara atuou paralelamente como “professor fantasma” da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), recebendo silenciosamente salários mensais, tudo de forma absolutamente irregular. Eram cerca de R$ 16 mil por mês. Os pagamentos, realizados entre fevereiro de 2014 e dezembro de 2015, somaram a quantia de R$ 368.140,09.
Por lei, qualquer servidor público que assume cargo de deputado tem que pedir o afastamento imediato de sua função inicial para, então, exercer seu mandato e ser remunerado exclusivamente por ele. O deputado Waldir Maranhão (PP-MA) sabia disso, segundo a publicação. Tanto que, em 2006, quando foi eleito pela primeira vez, largou a universidade estadual, onde exerceu cargos como os de professor e reitor por 21 anos, e teve seus salários automaticamente cortados. A situação permaneceu assim durante sua primeira legislatura, mas não chegaria ao fim da segunda, iniciada em 2010, quando foi reeleito. Antes que o novo mandato acabasse, Waldir Maranhão voltaria a figurar na lista de professores ativos da Uema, ainda que virtual.
Em fevereiro de 2014, o presidente interino da Câmara voltou a receber seus rendimentos por serviços acadêmicos que não prestava, com o dinheiro caindo diretamente em sua conta corrente. Se a volta desses pagamentos partiu ou não de um pedido seu, o fato é que Maranhão não comunicou nada à universidade ou mesmo à Secretária Adjunta de Gestão de Pessoas (Sagep), que executa os repasses do governo maranhense para seus órgãos públicos. Quando foi eleito para o terceiro mandato, iniciado em janeiro de 2015, o deputado teve uma “nova chance” de esclarecer que estava recebendo salários de forma irregular. Não o fez. E os salários continuaram a pingar religiosamente em seu bolso, até dezembro de 2015, quando a festa teria fim, por conta de uma auditoria interna da universidade.
A reitoria da Uema afirmou que a inclusão de Waldir Maranhão na folha de pagamento da instituição partiu da Secretária Adjunta de Gestão de Pessoas do Maranhão. A Sagep, no entanto, negou ser responsável por isso e declarou que a inclusão é feita pela própria área de recursos humanos da universidade, que tem acesso ao sistema de pagamento. “É uma autarquia que tem autonomia administrativa e financeira. Nós processamos a folha conforme aquilo que a Uema coloca no sistema. Nós não temos que dizer quem vai ou não receber. É responsabilidade da Uema”, rebateu Adriane Ferreira, secretária da Sagep.