PREFEITURA

xxxxxxxxxxxx

TERROR: Órfãos de cristãos são torturados na Coreia do Norte

Regime comunista coloca presidente como um “deus”
Há órfãos norte-coreanos sendo “duramente torturados” quando se descobre que são cristãos. A denúncia está sendo feita por ativistas de direitos humanos e defensores da liberdade de culto reunidos esta semana para debater a situação na Coreia do Norte.
O encontro, promovido pela North Korean Freedom Coalition atraiu algumas dezenas de participantes para a Universidade de Georgetown, em Washington.
Outro aspecto que chama atenção são as provas apresentadas de que o governo chinês é cúmplice dessas atrocidades. Um desertor norte-coreano que falou no evento, mas não teve sua identidade revelada, contou histórias angustiantes sobre os órfãos na Coreia do Norte. Muitos deles tiveram os pais assassinados por causa da sua fé em Jesus.
Lim Hye-Jin, uma das líderes da Nova União de Mulheres da Coréia, contou como alguns desses órfãos haviam conseguido fugir com os pais para a China, mas foram mandados de volta quando seus pais morreram. Pelos menos três deles foram enviados para um campo de prisioneiros políticos, que funciona como um verdadeiro campo de concentração.
“De acordo com a lei norte-coreana, todo menor de 18 anos deveria ser protegido e não poderia ser enviado para um campo de prisioneiros políticos. Contudo, nesse caso, por que eram cristãos e frequentavam uma igreja, eles foram “torturados duramente”. Os outros órfãos vindos da China foram enviados para um campo de reeducação”, explica Lim.
Ainda segundo ele, a identificação de que eram cristãos deu-se pelos calos nos joelhos, pois passavam muitas horas nessa posição orando.
Falso deus
Suzanne Scholte, fundadora e presidente da Defense Forum Foundation, denunciou que a maioria dos organismos internacionais tem conhecimento do que acontece na Coreia do Norte, mas não toma iniciativa alguma para mudar a situação.
Um jornalista do Christian Post perguntou por que o regime norte-coreano considera o cristianismo tão ameaçador que tortura até crianças.
“O regime dos Kim estabeleceu-se com o apoio dos cristãos”, explicou Scholte. Kim Il Sung, o fundador da dinastia que se mantém no poder desde a fundação do país, tinha ao seu lado líderes cristãos que se opunham ao controle do Japão sobre a Coreia.
Entretanto, explicou ela, Kim Il Sung, avô do atual presidente, “perverteu o propósito que ajudou a declarar a independência do país e tentou se estabelecer como um deus”.
Imediatamente começou a receber a maior oposição daqueles que tinham uma fé forte. “Então, se você é cristão e acredita em Deus [e não no ditador] isso é visto uma ameaça direta ao regime”, concluiu.

Compartilhe: WhatsApp, Faceboock, etc...

Conta de luz de maio terá bandeira tarifária vermelha

As contas de luz de maio terão bandeira tarifária vermelha patamar 1, o que representa um acréscimo de R$ 3 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Este é o segundo mês em que a bandeira vermelha é ativada neste ano. A bandeira tarifária vermelha é acionada quando é preciso ligar usinas termelétricas mais caras, por causa da falta de chuvas. Como o sinal para o consumo é vermelho, os consumidores devem fazer uso eficiente de energia elétrica e combater os desperdícios.
Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o uso consciente. As cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade. Recentemente, o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, disse que as contas de luz deverão continuar com a bandeira vermelha patamar 1 até o fim do período seco, que vai até novembro.
Como funcionam as bandeiras tarifárias - O sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015 como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a de hidrelétricas. A cor da bandeira é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) e indica o custo da energia em função das condições de geração.
Quando chove menos, por exemplo, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia no país. Nesse caso, a bandeira fica amarela ou vermelha, de acordo com o custo de operação das termelétricas acionadas.

Compartilhe: WhatsApp, Faceboock, etc...

Jair Bolsonaro do PSC sobe nas pesquisas e já é segundo lugar nas intenções de voto para 2018

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) cresceu e aparece no segundo lugar da corrida para a Presidência em 2018, empatado tecnicamente com a ex-senadora Marina Silva (Rede).
É o que aponta a primeira pesquisa Datafolha após a divulgação de detalhes da delação da Odebrecht, que atingiu em cheio presidenciáveis tucanos –que veem o prefeito paulistano, João Doria (PSDB), surgir com índices mais competitivos.
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), por sua vez, mantém-se na liderança apesar das menções no noticiário recente da Lava Jato.
O Datafolha fez 2.781 entrevistas, em 172 municípios, na quarta (26) e na quinta (27), antes da greve geral de sexta (28). A margem de erro é de dois pontos percentuais.
O deputado Bolsonaro, que tem posições conservadoras e de extrema direita, subiu de 9% para 15% e de 8% para 14% nos dois cenários em que é possível acompanhar a evolução. Nesses e em outros dois com candidatos diversos, Bolsonaro empata com Marina.
Ele é o segundo nome mais lembrado de forma espontânea, com 7%. É menos que os 16% de Lula, mas acima dos 1% dos outros.
Com uma intenção de voto concentrada em jovens instruídos e de maior renda, Bolsonaro se favorece da imagem de “outsider” com baixa rejeição (23%) e do fato de que o Datafolha já registrava em 2014 uma tendência conservadora no eleitorado.
Ele parece ocupar o vácuo deixado por lideranças tradicionais de centro-direita do PSDB, golpeadas na Lava Jato, confirmando a avaliação de que há espaço para candidaturas que se vendam como antipolíticas em 2018.
O senador Aécio Neves (MG), que terminou em segundo em 2014 e hoje é investigado sob suspeita de corrupção e caixa dois, é o exemplo mais eloquente da crise tucana. É tão rejeitado quanto Lula: não votariam nele 44%, contra 30% no levantamento de dezembro passado. Sua intenção de voto oscilou de 11% para 8%, quando era de 26% no fim de 2015.
Já o governador Geraldo Alckmin (SP) viu sua rejeição pular de 17% para 28%, e sua intenção de voto oscilou para baixo, de 8% para 6%. Até a delação da Odebrecht, em que é suspeito de receber R$ 10,7 milhões em caixa dois, ele passava relativamente ao largo da Lava Jato.
Marina, com “recall” de candidata em 2010 e 2014, registra tendência de queda nos cenários de primeiro turno. Para o segundo turno, ela segue na liderança, mas empata tecnicamente com Lula.
O ex-presidente mostra resiliência enquanto surgem relatos de sua relação com a construtora OAS e tendo a possibilidade de ficar inelegível se for condenado em duas instâncias na Lava Jato.
Nos dois cenários aferíveis, suas intenções subiram para 30%, saindo de 25% e 26%.
Lula atinge assim o terço do eleitorado que era considerado, antes da debacle do governo Dilma Rousseff, o piso de saída do PT. Parte do desempenho pode estar associado à vocalização da oposição ao governo Michel Temer (PMDB), impopular.
Já na pesquisa de segundo turno, Lula derrota todos exceto Marina e um nome que não havia sido testado até agora: o do juiz Sergio Moro, que comanda processos contra o ex-presidente na primeira instância da Lava Jato.
Sem partido, Moro supera Lula numericamente, com empate técnico: 42% a 40%. No cenário de primeiro turno em que é incluído, o juiz chega tecnicamente em segundo. Neste cenário, o apresentador Luciano Huck (sem partido, mas sondado pelo Novo), estreia com 3%.
Outro neófito na pesquisa é Doria, que tem tido o nome cada vez mais citado como pré-candidato ao Planalto. Ele ultrapassa seu padrinho Alckmin, ainda que dentro da margem de erro. E tem duas vantagens importantes: ainda não é um nome nacionalmente conhecido e tem baixa rejeição, de 16%.
Na hipótese de ser o candidato tucano com Lula, Doria pontua 9% no quarto lugar. Sem Lula, sobe para 11% mas fica na mesma posição, ultrapassado por Ciro Gomes (PDT) –que tenta se posicionar como nome da esquerda caso o petista não concorra. No segundo turno, Doria perderia para Lula, Marina e Ciro.

Compartilhe: WhatsApp, Faceboock, etc...