Governo Japonês autoriza o desenvolvimento de “humano-animais”

Experimento científico é contestado e enfrenta uma série de críticas de especialistas e bioeticistas
Por RedaçãoCamundongo. (Foto: auenleben por Pixabay)
Desde março deste ano o cientista Hiromitsu Nakauchi tem aval do governo japonês para seguir com suas pesquisas de “humano-animais” (também chamados de quimeras) com o objetivo de desenvolver órgãos humanos em animais a partir de células-tronco humanas.
A equipe de Nakauchi pediu e o Ministério da Educação e Ciência do Japão publicaram novas diretrizes sobre pesquisas com células-tronco para permitir criar embriões humano-animais que podem ser transplantados em outros animais desenvolvidos até o final.
De acordo com uma reportagem da BBC, neste mês especialistas do ministério anunciarão uma decisão definitiva sobre o tema que divide a comunidade cientifica.
As mudanças já autorizadas permitem que o cientista possa avançar com suas pesquisas que visa produzir órgãos humanos em falta para transplante, como pâncreas, em animais e depois transplantá-los para uma pessoa.
Segundo a revista científica Nature, a ideia não é pioneira, mas é a primeira vez que um governo apoia este tipo de experimento.
Essa semana, por exemplo, um dos assuntos mais comentados foi o experimento de cientistas espanhóis que criaram na China um ser híbrido de humano e macaco.
Além desse experimento na China, outras tentativas em diversos países já foram realizadas, cultivando células humanas em embriões de camundongos, ratos e até ovelhas para depois transplantar esses embriões em outros animais.
Acontece que este tipo de estudo enfrenta uma série de críticas, principalmente por questões éticas.