Irã ameaça atacar dentro dos EUA caso haja resposta por ataque de mísseis

A Casa Branca, em Washington; histórico dos EUA em conflitos externos tem trajetória por vezes relacionada com disputas eleitorais internas.
Ao menos duas bases norte-americanas no Iraque foram atacadas na noite desta terça
O Irã prometeu atacar dentro dos EUA caso haja resposta
Não há informações sobre eventuais feridos ou mortos nos ataques

Ataques seriam uma resposta ao assassinato do general iraniano Suleimani pelos EUA, no dia 2 de janeiro
Donald Trump está analisando com seus secretários qual a melhor maneira de responder aos ataques
Em seu canal na rede social Telegram, a Guarda Revolucionária Iraniana disse que, caso haja resposta ao ataque feito hoje à noite a duas bases que abrigam tropas americanas no Iraque, irá revidar diretamente dentro dos Estados Unidos.
A mensagem afirma que "o Pentágono relata que os EUA responderão aos ataques do Irã" e que "desta vez a resposta será na América".
Ainda no Telegram, Guarda Revolucionária Iraniana afirmou também que, caso seu território seja bombardeado, terá como alvo as cidades de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, e Haifa, em Israel, na terceira onda de operações.
Em nota oficial, a Administração Federal de Aviação (FFA) declarou que está restringindo aeronaves não militares (civis) dos EUA "de operar no espaço aéreo sobre o Iraque, Irã e as águas do Golfo Pérsico e do Golfo de Omã".
O jornal Fars News, do Irã, divulgou hoje, após os ataques, um vídeo sem data em que o aiatolá Seyyed Ali Khamenei afirma para uma multidão que os EUA até podem atacar o Irã, mas que o resultado será muito pior para os próprios americanos.Uma fonte declarou para a CNN que a segurança em volta da Casa Branca foi reforçada após as tensões recentes com o Irã. Segundo o site, o Secretário de Estado, Mike Pompeo, o Secretário de Defesa, Mark Esper, e o vice-presidente, Mike Pence, já se retiraram da Casa Branca.
Um funcionário do Serviço Secreto dos EUA se recusou a comentar ao site, transmitindo um comunicado divulgado pela agência, dizendo que "avalia continuamente o ambiente de ameaças que envolve todos os protegidos".
Duas bases aéreas que abrigam tropas dos Estados Unidos e da coalizão no Iraque foram atingidas por mísseis, na noite de hoje. Ainda não se sabe se houve vítimas. O Pentágono confirmou os ataques, e o Irã assumiu a autoria a ao menos uma das bases.
A TV estatal iraniana disse que a Guarda Revolucionária Islâmica do país lançou "dezenas" de mísseis, como resposta à morte do general iraniano Qassim Soleimani, na última quinta-feira, após um ataque americano. O nome da operação de hoje, inclusive, foi "Mártir Soleimani", segundo a emissora.
De acordo com os Estados Unidos, teriam sido 12 mísseis. Uma das bases atingidas foi Ain al-Asad, em Anbar. A outra se localiza em Erbil, na região semiautônoma do Curdistão.
Do UOL, em São Paulo