https://www.facebook.com/pg/saudeiguaracy/posts/?ref=page_internal

Prova de que a divisão do Mar Vermelho existiu está prestes a ser revelada

Um novo filme, o culminar de duas décadas de pesquisa, considera as possíveis raízes que os hebreus adotaram quando deixaram o Egito, apresentando evidências de que o êxodo realmente aconteceu. O filme faz parte de uma série que apresenta graficamente o caso de que os estudiosos da Bíblia podem ter acertado e os cientistas, ou pelo menos alguns deles, estão começando a reconsiderar sua suposição de que Moisés, José e todo o resto do elenco da Bíblia, na verdade deixaram suas pegadas nas areias do tempo.
A VIAGEM DE FÉ DE UM HOMEM: A BÍBLIA É VERDADEIRA?
Além de ser um cineasta premiado, Tim Mahoney é antes de tudo um cristão devoto com uma forte crença na Bíblia. Como tal, ele partiu há mais de uma década para documentar sua busca por uma resposta às perguntas que desafiam todo homem de fé que lê a Bíblia: A Bíblia, a base de todas as religiões abraâmicas, é verdadeira? Por mais fantásticos que pareçam, os eventos que forjaram o relacionamento entre os hebreus e Deus podem realmente acontecer da maneira como foram descritos nas páginas da Bíblia? Se eles fizeram, então onde está a prova?
Para esse fim, ele fundou a Thinking Man Films, que lançou seu primeiro documentário, “Patterns of Evidence: The Exodus”, em 2015. Este filme ganhou vários prêmios em festivais de cinema em todo o país. Ele lançou o segundo da série, “Patterns of Evidence: The Moses Controversy“, em 2019. Os filmes trazem evidências de arqueólogos e historiadores e Mahoney compara isso à narrativa bíblica.
Embora Mahoney seja um cristão devoto, ele consultou rabinos e estudiosos judeus em sua busca pela verdade da Bíblia. Os filmes e livros que o acompanham são para qualquer pessoa interessada na Bíblia, independentemente de sua religião.
"Eu não estou fazendo filmes cristãos”, explicou Mahoney. “Estou fazendo filmes de investigação como cristão.
Eu estou procurando a verdade. A Bíblia diz que há consequências em não acreditar. Os agnósticos apreciam esse tipo de busca pela verdade. Às vezes, as pessoas não querem acreditar em algum tipo de ilógica. Isso pode ajudá-los a encontrar as razões para acreditar.”
“Eu sempre acreditei que a Bíblia era verdadeira”, disse Mahoney ao Breaking Israel News. “Confiamos muito em Deus nos ajudando. Quando os pesquisadores começaram a me dizer que não há evidências de que essas histórias tenham acontecido, essa semente de dúvida realmente me incomodou. Mas você precisa ser honesto sobre essas vozes negativas.”
“Eu tentei ser o mais honesto possível com meus filmes”, disse Mahoney. “Examino o que as escrituras dizem e o comparo com o padrão de eventos históricos. Isso me deu uma visão mais profunda da Bíblia.”
“Por exemplo, sabemos que o Êxodo realmente começou com a promessa de Deus a Abraão, que incluía seus descendentes escravos no Egito. Mas ele também prometeu que os traria de volta à terra prometida. Nesta narrativa, José é ainda mais importante do que eu pensava anteriormente. Na verdade, é na vida de José que podemos encontrar evidências da história do Êxodo no Egito.”
Mas também há lições pessoais.
“Deus tirou 600.000 homens em idade de lutar do Egito, encontrei evidências disso. Ele os providenciou no deserto – disse Mahoney. “Se Ele puder fazer isso, forneça a eles todas as suas necessidades no deserto, então certamente ele poderá prover para mim e minha família.”
O MILAGRE DO MAR VERMELHO: A ROTA DO MAR
Mahoney partiu para encontrar o caminho exato que os hebreus seguiam ao deixar o Egito. Para esse fim, Mahoney criou seu terceiro filme, “O Milagre do Mar Vermelho. Neste documentário, ele examina a jornada até o local da travessia, observando duas vistas concorrentes do milagre do mar vermelho. Um ele chama de “Abordagem Egípcia”, que parece perto do Egito. O outro ele chama de “Abordagem Hebraica”, que fica longe do Egito, no Golfo de Aqaba, onde mergulhadores têm procurado os restos do exército do faraó no fundo do mar.
O filme é essencialmente um documentário, mas é apresentado com explicações gráficas que tornam a história e a arqueologia acessíveis ao leigo. Seções têm a aparência de uma produção de Hollywood.
Mas este filme, o que ele inicialmente pretendia começar a série duas décadas atrás, foi colocado em pausa.
MAS O ÊXODO REALMENTE ACONTECEU?
“Quando iniciei minhas investigações, queria encontrar a rota do êxodo. Mas as pessoas perguntaram: ‘Qual é o sentido de encontrar a rota se o êxodo nunca realmente aconteceu?’”
Então Mahoney colocou seu projeto em pausa e foi ao Egito para responder a essa pergunta, procurando evidências de que os judeus haviam vivido no Egito e a subsequente a ocorrência milagrosa do êxodo. Nesta missão, ele foi impedido por historiadores que rejeitaram a versão bíblica do Êxodo com base em uma linha do tempo específica que ligava a presença dos hebreus no Egito ao reinado de Ramsés o Segundo, durante o Novo Reino do Egito. Isso se baseia no versículo da Bíblia que afirma que os hebreus construíram a cidade de Ramsés.
Então, eles colocam os encarregados sobre eles para oprimi-los com trabalho forçado; e construíram cidades de guarnição para Faraó: Pitom e Ramsés. Êxodo 1:11
Os arqueólogos determinaram que a cidade de Ramsés existia apenas durante o século XIII aC. Não há evidência arqueológica da cultura semítica na cidade ou no Egito naquela época, então os arqueólogos concluíram que a história bíblica, de José a Moisés, não tem base factual.
“A maioria dos estudiosos da atualidade diz que o êxodo que realmente não aconteceu, e se aconteceu, aconteceu por volta de 1250 aC”, disse Mahoney. “Então, eles limitaram sua busca pelo êxodo a esse tempo e, como não encontraram nenhuma evidência para um êxodo naquela época, concluíram que isso nunca aconteceu”.
Em seu filme, Patterns of Evidence, Mahoney também não encontrou evidências para um êxodo naquela época.
Mas ele estava desanimado e, usando a Bíblia como guia, seguiu rumores de restos semíticos nas ruínas de Avaris, uma grande cidade no norte do Egito que tinha uma população de 30.000 habitantes. Mahoney ficou excitado quando o arqueólogo-chefe no local, Manfred Bietak, revelou que a cidade tinha um status especial elevado, um tipo de zona franca que parecia corresponder à descrição bíblica de Goshen como sendo separada do próprio Egito.
Beitak descreveu que a prova de pastoreio, uma prática incomum no Egito, foi encontrada ao redor dos restos de Avaris. Mas Beitak, trabalhando na mesma linha do tempo que outros egiptólogos, não acreditava que Avaris estivesse conectado ao êxodo bíblico. A pesquisa de Bitek determinou que Avaris foi construído pelo menos quatro séculos antes da cidade de Ramsés e desapareceu antes que se pensasse que os hebreus chegassem ao Egito.
Na escavação em Avaris, foram descobertos restos de um palácio construído em torno de 12 pilares com ornamentos reais. Na terra adjacente ao palácio havia 12 impressionantes criptas funerárias. A cripta mais elegante era uma pequena pirâmide contendo uma estátua extraordinariamente grande, com pele pintada de amarelo, cabelos ruivos e uma túnica multicolorida. O mais intrigante foi o fato de a cripta não conter restos humanos. Isso corresponde ao relato bíblico dos ossos de José sendo transportados de volta a Israel quando os judeus deixaram o Egito.
“Há um incrível padrão de evidência para o êxodo”, disse Mahoney.
“Mas não quando os historiadores dizem que deveria ser”.
Como documentarista religioso, Mahoney parece ter tido sucesso onde os cientistas falharam. Mas ele sabe exatamente o porquê.
“Sempre começo perguntando o que a Bíblia está nos dizendo. E isso me levou a uma quantidade incrível de evidências apontando para um período anterior.”
Em outro paralelo à Bíblia, um canal, construído durante o período de Avaris, ainda chamado de Joseph Waterway, ligava o Nilo à bacia de Fayum. Rohl sugeriu que foi construído sob a direção de José, a fim de regular as inundações do Nilo.
Ele encontrou outra evidência no Museu Holandês de Leiden; o Papiro Ipuwer, uma única página de 1250 aC, que é uma cópia de outro papiro do século 18 aC. O documento anterior registra detalhes de eventos que corroboram a versão bíblica, descrevendo o Nilo como “sangue” e servos fugindo. Descreve a fome e a destruição de todas as culturas: “A peste varre a terra, a morte está em toda parte”. Em um verso quase idêntico à Bíblia, o papiro declara: “As lamentações estão por toda a terra … mas os pobres se tornam ricos, os escravos pegam o que quiserem.”
Talvez o maior testemunho da busca de Mahoney pela verdade tenha sido revelado em seu filme mais recente.
“Manfred Bitek, o principal egiptólogo da Avaris e cético do Êxodo, aparece no Milagre do Mar Vermelho testemunha que agora ele tem evidências para o Êxodo”, disse Mahoney, excitado.
HEBRAICO: A MISTERIOSA LÍNGUA
Como investigador, Mahoney viu a Bíblia como uma testemunha ocular, dada por uma testemunha em primeira mão, nome Moisés.
“Mas as mesmas pessoas que disseram que nunca houve um êxodo também dizem que Moisés não escreveu a Torá”, disse Mahoney. Esse desafio, que ele afirma ser ainda mais difícil do que provar a existência de Joseph, levou-o ao seu segundo filme, “A controvérsia de Moisés”.
“Muitos estudiosos tradicionais descartaram completamente essa idéia, alegando que os primeiros livros da Bíblia não foram escritos por Moisés, mas foram escritos séculos depois por vários colaboradores que misturaram fatos com ficção para criar uma história de origem para Israel. Portanto, eles alegaram que esses relatos bíblicos não são historicamente confiáveis.”
Para refutar essa afirmação, ele investigou a ferramenta que Moisés usou para escrever sua conta; a língua hebraica. A primeira parte da investigação foi determinar se havia um sistema de escrita em vigor na época do êxodo que Moisés poderia ter usado. A maioria dos estudiosos acredita que o hebraico não existia até 900 aC, após o tempo em que a maioria dos estudiosos acredita que o êxodo ocorreu.
Mas a tenacidade de Mahoney o levou a um alfabeto alternativo e a uma linha do tempo alternativa. Mahoney descobriu que os pesquisadores descobriram o proto Sinaitic, uma língua alfabética semelhante às formas primitivas do hebraico. Em seu filme anterior, Mahoney sugeriu uma variação na linha do tempo do Êxodo que colocou os israelitas no Egito em 1800 aC, muito antes do que a maioria dos estudiosos havia afirmado anteriormente.
Mahoney foi confrontado com um novo conjunto de perguntas:
O hebraico separou os Filhos de Israel dos capatazes egípcios. Moisés tinha o sistema de escrita? Existia no Egito na época do Êxodo? Foi semita?
Mahoney observou que hieróglifos e cuneiformes são compostos de milhares de símbolos que levaram anos para serem aprendidos. Era por natureza restrito a uma elite. Um alfabeto composto por menos de 30 símbolos tornou a leitura e a escrita muito mais acessíveis.
“Esta investigação mostra que esse alfabeto apareceu no Egito exatamente quando eu acredito que José estava no Egito”, disse Mahoney. “Essa forma primitiva de escrita influenciou a mensagem da Bíblia.”
“Esse alfabeto fundamental era uma tecnologia que democratizava as informações, permitindo que elas fossem amplamente transmitidas”, afirmou Mahoney. A Bíblia foi dada a toda a nação através de uma linguagem alfabética.
Fonte: Breaking Israel News.