https://www.facebook.com/pg/saudeiguaracy/posts/?ref=page_internal

PE: Cremepe recomenda priorizar leitos de UTI do coronavírus para quem tem mais chance de sobreviver

Rede de Saúde de Pernambuco está a um passo pequeno de rede entrar em colapso, devido ao avançar da epidemia do novo coronavírus.
http://www.afogadosveiculos.com/p/blog-page_15.html?m=1/
O Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) divulgou uma recomendação com definição de critérios de prioridade de internação dos pacientes infectados com coronavírus em unidade de terapia intensiva (UTI), na falta de leitos para atender a demanda terapêutica. O documento já foi encaminhado à Secretaria Estadual de Saúde (SES), segundo o Cremepe. A reportagem procurou a assessoria da SES e aguarda um retorno.
A recomendação do Cremepe foi feita no momento em que Pernambuco enfrenta uma franca aceleração da curva epidêmica de covid-19, o que causa uma pressão imensa no sistema de saúde, com taxas de ocupação dos leitos de UTI no limite. Em linhas gerais, o documento do Cremepe se baseia no uso de três escalas e orienta que devem ser priorizados os pacientes com covid-19 em estado grave que tenham maior chance de sobrevivência.
"Nós não podemos interferir na política de saúde do Estado. Mas, diante do cenário de leitos insuficientes para a grande demanda de pacientes (com suspeita ou confirmação de covid-19), podemos ajudar na tomada de decisão para priorização do acesso. Não estamos falando em fazer um corte por faixa etária, como fez a Itália. A nossa recomendação reúne três tipos de score para dar a decisão (ao médico) de que pacientes estão com maior necessidade de UTI e maior chance de sobrevivência", explica o vice-presidente do Cremepe, Maurício José de Matos e Silva.
Parece cruel, mas alguém tem que fazer isso
Maurício José de Matos e Silva, vice-presidente do Cremepe, sobre a difícil decisão de uso de leito de UTI
O conselho recomenda a utilização do Escore Unificado para Priorização (EUP-UTI) de acesso a leitos de terapia intensiva, assistência ventilatória e paliação, como meio de hierarquização da gravidade dos pacientes, na ausência absoluta de leitos suficientes para atender a demanda terapêutica. O documento, publicado na segunda-feira (27), destaca que caberá à autoridade sanitária definir o início, a duração e a gradação do ponto de corte de utilização do EUP-UTI, conforme a necessidade de adequação dos quantitativos de leitos à demanda existente.
"Encaminhamos a recomendação à SES, órgão que cabe avaliar essa nossa contribuição. A secretaria deve se pronunciar, poderá usar totalmente a recomendação ou parte dela", informa Maurício, ciente de que a missão do médico de decidir o paciente que deve ser encaminhado a um leito de UTI, nesse cenário de esgotamento da rede, é extremamente difícil. "Parece cruel, mas alguém tem que fazer isso."
O vice-presidente do Cremepe acrescenta que a recomendação de acesso a vagas de terapia intensiva leva em consideração a condição clínica do paciente, as doenças preexistentes (ou seja, aquelas diagnosticadas antes da infecção pelo coronavírus) e a fragilidade - condição que tem implicações na qualidade de vida e na autonomia de cada pessoa. "Para fazer essa recomendação, reunimos três scores que avaliam a previsão de sobrevivência a curto prazo do paciente (com suspeita ou confirmação de covid-19) e a longo prazo a partir da presença de comorbidades (doenças crônicas)", diz Maurício. A previsão de sobrevivência global é avaliada pela condição de fragilidade. "O score, vale dizer, não é fixo e deve ser feito todos os dias (com base no quadro de cada paciente)."
Cuidados paliativos
Para os pacientes com covid-19 que não forem priorizados para o uso de leitos de UTI, Maurício frisa que deve ser utilizada a prática dos cuidados paliativos, uma abordagem voltada para o controle de sintomas, conforto e qualidade de vida. Além disso, é um tipo de cuidado oferecido em conjunto com o tratamento padrão de qualquer doença que ameace a continuidade da vida, sem ser associado com a omissão ou exclusão (abandono terapêutico), mesmo durante uma pandemia. (Via: Jc Online)