https://www.facebook.com/pg/saudeiguaracy/posts/?ref=page_internal

Bolsonaro foi 100% Jair. Veja vídeo na íntegra:

Coluna do Domingão do Nill Júnior
O assunto da semana, do vídeo liberado pelo Ministro Celso de Mello da reunião ministerial de abril no Palácio do Planalto teve alguns pontos que ganharam as manchetes, mas uma grande verdade: provou que Bolsonaro é coerente com Jair.
O de dentro do Palácio é igualzinho ao de fora. Dito isso, a impressão que fica é a de que o divulgado reforçou o gás de quem tem alinhamento ideológico com o presidente, mesmo que também tenha reforçado os argumentos de quem pensa diferente.
As exceções que merecem atenção pela gravidade, as ameaças do Ministro Weintraub contra o Supremo, da Ministra Damares ameaçando prender governadores, o Ricardo Sales e seu plano de passar por baixo dos panos os projetos que favorecem desmatamento e, claro, Bolsonaro e as ameaças à PF e Moro, no afã de proteger os seus.
Fora isso, Bolsonaro se mostrou como ele é. Nenhuma novidade. Já disse publicamente o que faliu internamente. Chamou jornalistas que cobrem o Planalto de “pulhas”. Demonstrou preocupação com os efeitos econômicos da pandemia, sem fazer referência às vidas que vão primeiro.
Criticou a soltura de detentos por conta da pandemia, voltou a dizer nada ter a ver com pedidos de volta do AI-5, disse que o Supremo não pode ter dois pesos e duas medidas com ele e com a esquerda, que ninguém o impediria de circular pelo Brasil, reclamou de pessoas algemadas por descumprimento de decretos de isolamento. Falou palavrões, esculhambou Dória e Witzel. Em suma, o Bolsonaro de dentro foi o mesmo de fora.
O que já se sabia, se confirmou: diante das acusações contra os filhos, principalmente Flávio no Rio de Janeiro, quer intervir na Polícia Federal. Disse que, para fazer isso por filhos ou amigos, demitiria até o Ministro Moro.
Um fato que foi pouco explorado foi a declaração do presidente de que “está se lixando para 2022”, sinalizando que sua preocupação é concluir esse ciclo. Bolsonaro chegou a dizer que se a esquerda ganhar a eleição ele e muitos do governo serão presos depois por acusações menores, como homofobia e racismo.
No mais, mais Bolsonaro. Quem ainda mantém fidelidade ao capitão, comemorou e disse que votou nele pra isso mesmo, pra defesa dessas bandeiras. Quem o odeia, saiu dizendo que é justamente por isso que não quer saber dele. Assim, o vídeo não garante algo a mais pra ninguém na base das torcidas organizadas. Deu 1 a 1. (Por Nill Júnior)