https://www.facebook.com/pg/saudeiguaracy/posts/?ref=page_internal

Pernambuco passará a testar contatos domiciliares de pacientes com a Covid-19

A Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE) anunciou, nesta quinta-feira (10), mais uma ampliação no protocolo de testagem para a Covid-19. Nos próximos dias, passarão a ter direito a realizar o teste do tipo RT-PCR aquelas pessoas que são contatos domiciliares de pacientes com diagnóstico já confirmado da doença.
O gestor da pasta, André Longo, anunciou esse avanço ao mesmo tempo em que festejou a inauguração do novo Parque Tecnológico do Lacen-PE (Laboratório Central de Saúde Pública), que recebeu investimentos importantes nesse período, como a aquisição de maquinário de ponta. “Isso nos coloca em outro patamar em relação à testagem e será um legado dessa pandemia para o estudo dos vírus no nosso Estado”, disse Longo.
De acordo com ele, o Lacen-PE tem capacidade atual de processar três mil exames de RT-PCR ao dia. Esse exame molecular, realizado com a coleta de material nasal e orofaríngeo, é considerado padrão ouro na detecção dos casos de infecção pelo novo coronavírus. Isso, porque é capaz de detectar a presença do vírus em sua fase aguda, quando a pessoa tem maior carga viral e, consequentemente, mais potencial de transmissão. “Para se ter uma ideia, no início da pandemia, ainda em fevereiro, o País inteiro tinha capacidade para processar 2.700 exames ao dia. Hoje, só o Lacen tem condições de processar três mil. Dentro do processo de convivência com a Covid-19, a ampliação da testagem é ponto crucial. Essa massificação da testagem vai nos ajudar a ampliar o monitoramento e também o controle da transmissão da doença, dando ainda mais segurança para os próximos passos da reabertura”, afirmou o secretário, explicando que a marcação do exame deve ser feita pelo web aplicativo Atende em Casa.
Evolução
Ainda em março, quando foram notificados os primeiros casos da Covid-19 em Pernambuco, os pacientes com quadros suspeitos da doença faziam a coleta de amostra biológica no Estado, mas elas seguiam para processamento no Instituto Evandro Chagas, no Pará.
Aos poucos, os profissionais locais receberam capacitação e o Lacen começou a receber essa demanda. Com a escassez de insumos, apenas os pacientes com quadros graves e os óbitos com sintomatologia sugestiva para a Covid-19 eram testados. Através de parcerias com instituições públicas e laboratórios privados, foi possível fazer expansões gradativas, atendendos os lares para idosos, profissionais dos serviços essenciais e, mais recentemente, toda a população com sintomas compatíveis com os da Covid-19. (Via: Folha PE)