No limite: Bolsonaro nega volta do auxílio emergencial

Sob pressão política para renovar o Coronavoucher, que acabou no fim de dezembro, Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda (25) que o benefício é emergencial, e não “duradouro” ou “vitalício” como uma aposentadoria. O presidente fez os comentários em conversa com apoiadores na chegada ao Palácio da Alvorada, no fim da tarde.
Questionado por um simpatizante sobre ser a favor de um novo auxílio emergencial, Bolsonaro inicialmente desconversou: “Não, eu não vou… converso isso com o Paulo Guedes, contigo não”. Mas depois acrescentou: “A palavra é emergencial. O que é emergencial? Não é duradouro, não é vitalício, não é aposentadoria. Lamento muita gente passando necessidade, mas a nossa capacidade de endividamento está no limite”.