Cresce endividamento das famílias pernambucanas

O percentual de famílias pernambucanas endividadas teve crescimento entre janeiro e fevereiro, passando de 78,1% para 79,3% na variação mensal. É o pior resultado para os meses de fevereiro desde 2010, quando foi iniciada a série histórica da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC). E também o maior índice entre os meses desde junho de 2011, quando o percentual foi de 81,3%. Os números comprovam as dificuldades e o período de restrição financeira para as famílias do estado no início do ano, principalmente por conta do fim de programas emergenciais, além do ritmo lento da geração de empregos e da inflação.
O percentual de 79,3% equivale a 409.271 famílias endividadas em Pernambuco, um aumento de 6.736 lares no estado em um mês. Em relação a fevereiro de 2020, a alta foi de 40.247 famílias. As famílias que possuem contas em atraso atingiram os 29,8%, alta em relação a janeiro de 2021 e a fevereiro do ano anterior, que registraram percentuais de 29,3% e 29,5%, respectivamente. A parcela da população formada por quem diz não ter mais condições de pagar as suas dívidas, mostrou percentual de 12,2%, o que corresponde a 62.771 mil famílias inadimplentes.
O resultado por tipo de dívida mostra que o cartão de crédito continua sendo o mais apontado, atingindo 94%, apresentando alta em relação a janeiro, quando o percentual foi de 93,9%. O endividamento com carnês aparece em seguida, com 20,1% ante 17,2% no mês anterior.
A maioria das famílias endividadas (57,4%) informam que as dívidas comprometem entre 11% e 50% da renda, o comprometimento médio em janeiro de 2021 atingiu 28,9% da renda.