Pernambuco registra aumento no número de pessoas jovens em UTI

Houve aumento de 195% de pessoas com idade entre 40 e 59 anos ocupando vagas de Terapia Intensiva na rede estadual de Saúde.
Pernambuco registrou mudanças no perfil de internações em leitos de Terapia Intensiva (UTI). A taxa de internação em UTI da população com idade entre 20 e 69 anos se mantém crescente há cinco semanas.
De acordo com o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, o dado é preocupante nos casos da Covid-19. "Como não temos nenhum medicamento que trate a Covid-19, a mortalidade dos pacientes internados com suporte intensivo é muito elevada", afirmou.
Os dados foram ampliados em uma coletiva virtual realizada nesta quinta-feira (25) pelo Governo de Pernambuco. Os maiores aumentos no número de internações foram nos grupos entre 20 e 39; 40 a 59 e 60 a 69 anos – que apresentaram percentuais de aumento de 145%, 195% e 120%, respectivamente. O percentual faz referência geral entre a primeira semana de 2020 e a última semana epidemiológica analisada.
Nos grupos etários de 20 a 59 anos, o número de internamentos praticamente dobrou apenas nas últimas três semanas. Entre os adultos jovens (20 a 39 anos), foram registrados 50 casos na semana de 28/2 a 6/3 e 93 na semana passada – aumento de 86%.
Já entre os adultos com idades entre 40 e 59 anos, o aumento no período foi de 80%, com 169 registros na semana de 28/2 a 6/3 e 304 na semana passada.
De acordo com o infectologista Demetrius Montenegro, que também estava presente à coletiva, houve uma perda de sentido dos números registrados. Uma naturalização da pandemia.
"Há centenas de pessoas morrendo nos hospitais e outras centenas sofrendo em casa. São jovens de 30, 40 anos. Não tinha visto isso no início da pandemia. Naquele momento, víamos o que a literatura falava, que os mais velhos poderiam ter casos mais graves. Estamos vivendo novamente uma grande onda com o acréscimo no número de casos em pessoas mais jovens, que estão se expondo muito. Com isso, a consequência é o que está acontecendo nas emergências e UTIs, com a possibilidade de piorar", relatou.
O infectologista ainda salientou que as equipes de saúde estão exaustas. "Sem contar que nós todos, profissionais da área da saúde, estamos muito cansados. Se você está cansado de ficar em casa, a gente está cansado de ver gente morrendo, é muito doloroso, é um sofrimento emocional grande. Essa epidemia existe, não fiquem cegos para esta doença”, afirmou Montenegro.
Na análise dos dados, apenas a faixa etária acima dos 85 anos não registrou crescimento no número de internações com relação à última semana. Nesta faixa etária, entre janeiro e mardo deste ano, foi registrada uma redução de 22% nas internações em leitos de UTI – foram 50 pacientes internados entre 3 e 9 de janeiro e 39 na semana passada.
O secretário André Longo informou que a redução na internação dos mais idosos já é efeito da imunização. "Nos indicadores entre os idosos com mais de 85 anos, nós já sentimos o efeito positivo da imunização, já que Pernambuco antecipou de forma pioneira e acertada o processo de imunização deste público", destacou.
Longo salientou que o momento depende inteiramente de decisões sobre proteção. “Decisões de proteção é que vão fazer a diferença nas taxas de ocupação hospitalar e podem fazer a diferença para salvar vidas. O vírus mata. E, se você negar este perigo e descumprir as normas da quarentena, a você poderá ser negado, mais à frente, uma vaga de UTI. Essa negação da realidade e da gravidade também poderá causar a morte de um familiar, de um amigo ou de alguém que você ama. O único compromisso inadiável e urgente é com a vida”, concluiu o secretário. (Folha PE)