“Depois de 30 anos de centro-esquerda, será que não pode ter quatro anos de centro-direita?”, reclama Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou esperar que “a democracia brasileira” permita a conclusão dos quatro anos de governo do presidente Jair Bolsonaro. “Depois de 30 anos de centro-esquerda, será que não pode ter quatro anos de centro-direita?”, questionou Guedes durante uma sessão na Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (7).
Ele disse que, nas últimas eleições presidenciais, a democracia brasileira criou uma alternativa que vai além dos “conservadores e liberais” para governar o país. Ele classifica o Governo Bolsonaro como “centro-direita”.
“Eu quero acreditar que a democracia brasileira nos permita ter um governo de quatro anos. Depois de 30 anos de centro-esquerda, será que não pode ter quatro anos de centro-direita?”, perguntou o ministro.
Segundo O Globo, Guedes garantiu que nunca presenciou ou participou de “troca de dinheiro embaixo da mesa” nesta gestão presidencial e defendeu o Centrão, grupo que apoia o governo.
“O Centrão pra mim é o centro. Eu não estou vendo, nem participando de nenhuma troca de dinheiro embaixo de mesa, de cueca, nada disso estou vendo. Se tiver havendo, eu vou acusar o mesmo culpado de sempre, o estatismo”, argumentou o ministro.
Ele também pediu respeito entre as instituições, citando o Congresso, o Supremo e a imprensa. “Quando perdemos respeito uns pelos outros nós descredenciamos as instituições. Alguém que foi eleito Presidente da República merece respeito. Você não pode descredenciar a instituição da Presidência, batendo todo dia, que tudo tá errado, tirando qualquer mérito”, acrescentou.
O ministro alegou que não houve escândalo de corrupção no governo em dois anos. “Em dois anos não tem escândalo de corrupção e todo dia tem a cunhada falou, o primo disse, não sei quem falou. Então achem, provem e removam se houver, mas você não pode descredenciar a presidência e vice-versa”, reclamou.
O Uol publicou na segunda-feira (5) um áudio em que a ex-cunhada de Bolsonaro, a fisiculturista Andrea Siqueira Valle, aponta a participação do presidente no caso das rachadinhas.
Guedes ainda soltou uma indireta sobre os trabalhos da CPI da Covid: “Estou vendo hoje senador querendo prender a pessoa dando depoimento, quebrando sigilo. Vamos criar um estado policial no Brasil? Todo mundo vai quebrar sigilo de todo mundo nos últimos 10 anos? Traz a Coaf aqui, quebra todo mundo? Pode ser, pra mim não tem problema. Agora nós queremos criar esse estado de desrespeito, policialesco?”, finalizou.