Pernambuco está no pior momento da pandemia e medidas não são suficientes, dizem pesquisadores

Com as recentes restrições adotadas pelo governo, profissionais que acompanham os números da Covid-19 no estado aprovam as decisões, mas defendem mais limites na circulação de pessoas. "A gente está no pior momento e piorando, disse o pesquisador Jones Albuquerque, do Instituto de Redução de Riscos e Desastres (IRRD).
“A situação aqui é um pouco mais branda devido à quantidade de leitos, mas Recife, hoje, está no pior momento da pandemia desde sempre”, disse o pesquisador .
Além das restrições em 63 cidades no interior, o governo de Pernambuco anunciou, nesta sexta-feira (26), a proibição de qualquer atividade não-essencial entre as 22h e as 5h em todo o estado. A medida vale a partir do sábado (27) até o dia 10 de março, em todo o território estadual.
Para Albuquerque, que monitora as estatísticas de casos, óbitos e de infecção desde o início da pandemia em Pernambuco, em março de 2020, os quase 12 meses de convivência com o novo coronavírus trouxeram algumas lições, tomando como base os acontecimentos mundiais.
“O mundo aprendeu que bloquear um bairro e não bloquear outro não funciona. Toque de recolher, muito infelizmente, não funciona. Na fração da noite, a gente pega os bares, mas durante o dia, a fração de indivíduos circulando no transporte público é grande”, disse o pesquisador.
"É momento, sim, de ampliar restrições. Eu defendo medidas mais agressivas. Não adianta restringir só o horário da noite, a gente precisa incentivar que as pessoas fiquem em casa, restringir, se possível, atividades não-essenciais”, disse o infectologista Bruno Ishigami, do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), que acredita que a suspensão dos serviços não-essenciais 22h às 5h é "um começo".Para Jones Albuquerque, o bloqueio efetivo das atividades seria uma solução para conter o avanço da Covid-19, mas a medida esbarra na dificuldade econômica enfrentada pelo estado. "Uns 14, 15 dias, de bloqueio efetivo. Injetar dinheiro na economia para que os serviços que vão sofrer com isso não sofram tanto", disse Albuquerque.
O problema também é visto por Ishigami como um empecilho para que haja a diminuição efetiva dos casos. "Acho que uma grande dificuldade da pandemia aqui no Brasil é isso. Todos os países que conseguiram fazer isolamento efetivo deram condições para que a população fizesse o isolamento reduzindo em algum grau o impacto econômico. Aqui a gente não consegue fazer isso", disse o médico.
"Entre o que a gente faz hoje de medida restritiva e um isolamento total, existem muitos passos pra gente dar. Acho que a gente precisa ir lançando mão desses passos. Se a gente não frear a disseminação do vírus, isso só vai aumentar e há um risco importante de colapsar o sistema de saúde, como está acontecendo no Rio Grande do Sul", afirmou Ishigami.
Jones Albuquerque entendeu, ainda, que a ampliação de leitos no estado é positiva, mas a demanda pelo serviço pode crescer nas próximas semanas a ponto de a aquisição não ser suficiente.
“Para os 490 leitos serem esgotados em uma semana, é muito rápido. Os leitos crescem linearmente, a pandemia cresce exponencialmente, feito juros compostos”, disse o pesquisador.
“A gente deveria dar um choque no vírus. O vírus não espera que a gente fique em casa. Ele espera que a gente circule, abrace as pessoas, encontre. Se a gente der uma travada, ganharíamos fôlego para implantara imunização e outras coisas”, disse Albuquerque. (Via: G1 PE)

ANÚNCIOS WEB SERTÃO - (87) 98821-5232