Pfizer tem apenas 39% de eficácia contra variante Delta, diz Ministério da Saúde de Israel

O Ministério da Saúde de Israel divulgou nota dizendo que a vacina da Pfizer e BioNTech teria apenas 39% de eficácia contra infecções pela variante Delta do novo coronavírus. Segundo a CNBC, o número seria baseado em estudo realizado entre 20 de junho e 17 de julho, com um número de pessoas não revelado.
A nota deixa claro, porém, que a vacina ainda apresenta forte proteção contra casos graves e internações. A eficácia contra casos graves é de 91%, e de hospitalizações é de 88%, de acordo como estudo.
“A efetividade das vacinas que temos hoje podem mudar com o tempo”, disse Isaac Bogoch, infectologista da Universidade de Toronto, a CNBC. “A vacina ainda é muito eficiente para prevenir infecções graves, e evita que o sistema de saúde fique sobrecarregado. Mas não dá para dizer que a pandemia acabou. Estamos no meio dela e qualquer coisa pode acontecer.”
A necessidade de uma vacina adicional não é descartada. A variante, presente em mais de 104 países, incluindo o Brasil, preocupa autoridades de saúde de todo o mundo, pois mostra que só vacinar com as duas doses não é suficiente para conter a pandermia.
Ao jornal CNBC, a Pfizer afirmou que segue confiante no seu regime de aplicação de duas doses da vacina, mas que uma terceira dose pode ser útil — estudos clínicos de fase 3 mostrarem um declínio na eficácia do imunizante após seis meses.
“Os dados iniciais de uma terceira dose da vacina demonstram que uma dose de reforço administrada pelo menos seis meses após a segunda dose produz alta neutralização contra variantes”
Fonte: Época Negócios e UOL