Hospitais públicos de Pernambuco reduzem estrutura para covid-19 e convertem leitos para tratar outras doenças

No auge da segunda onda de covid-19, ao longo do segundo trimestre deste ano, Pernambuco alcançou o maior número de leitos de terapia intensiva (UTI): 1.812 dedicados a pacientes com sintomas da doença. Hoje, após desativação das vagas devido à desaceleração da pandemia, a rede pública estadual está com 1.279 leitos de UTI, com 41% deles ocupados.
Leitos desativados
A queda dos indicadores da pandemia de covid-19 em Pernambuco e a desaceleração de casos da doença (inclusive os quadros mais graves, que exigem internamento) fizeram o Estado desativar 712 leitos hospitalares voltados exclusivamente a pessoas com sintomas da infecção pelo coronavírus. Entre eles, segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES), foram desmobilizadas 503 vagas de terapia intensiva (UTI) e 209 de enfermaria.
Com o avanço da variante delta, detectada inicialmente na Índia, surge a preocupação com um provável aumento no número de casos da covid-19 e, consequentemente, necessidade de reabertura de leitos para quadros da doença. Questionado sobre o plano para possível nova ativação dessas vagas, o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, destacou que o plano de convivência com a covid-19 prevê o desbloqueio e reconversão de leitos, se necessário.