Provocação: China constrói maquetes de navios dos EUA em área usada para testar mísseis

Os militares da China construíram maquetes no formato de um porta-aviões e de outros navios de guerra da Marinha dos Estados Unidos, possivelmente como alvos de treinamento, no deserto de Xinjiang, mostram imagens de satélite da empresa Maxar.
Essas maquetes refletem os esforços da China para ampliar suas capacidades de atacar porta-aviões, especificamente contra a Marinha dos EUA, já que as tensões continuam altas com Washington sobre Taiwan e o Mar da China Meridional.
As imagens de satélite capturadas no domingo (7) mostraram um modelo em escala real de um porta-aviões dos EUA e de pelo menos dois destroyers da classe Arleigh Burke que foram construídos no que parece ser um novo complexo de alvos no deserto de Taklamakan.
As imagens também mostram um sistema ferroviário de 6 metros de largura com um alvo do tamanho de um navio montado nele, que os especialistas dizem que pode ser usado para simular uma embarcação em movimento.
O complexo tem sido usado para testes de mísseis balísticos, informou o Instituto Naval dos EUA, citando a empresa de inteligência geoespacial All Source Analysis.
Os programas de mísseis anti-navio da China são supervisionados pela Força de Foguetes do Exército de Libertação do Povo (PLARF). O ministério da Defesa da China não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.
De acordo com o último relatório anual do Pentágono sobre os militares da China, o PLARF conduziu seu primeiro lançamento de fogo real confirmado no Mar do Sul da China em julho de 2020, disparando seis mísseis balísticos anti-navio (ASBM) DF-21 nas águas ao norte das Ilhas Spratly, onde a China tem disputas territoriais com Taiwan e quatro países do sudeste asiático.
Os testes no mar podem ter mostrado à China “que eles ainda estão longe de criar um ASBM preciso”, disse Collin Koh, pesquisador da Escola de Estudos Internacionais S. Rajaratnam, em Cingapura.
“Não acho que os alvos do deserto serão o estágio final. Eles servem para um refinamento adicional.”
O lançamento de míssil balístico anti-navio no deserto não refletiria as condições realistas de um ambiente marinho, o que poderia afetar os sensores e a seleção de alvos, mas permitiria à China realizar os testes com mais segurança, disse Koh.
Fonte: CNN

ANÚNCIOS WEB SERTÃO - (87) 98821-5232