Forças Armadas autorizam compra de 35 mil comprimidos de Viagra

Citrato de sildenafila é indicado para o tratamento da disfunção erétil; deputado federal pede explicações
As Forças Armadas brasileiras autorizaram processos de compra de 35.320 unidades de citrato de sildenafila, conhecido como Viagra. O medicamento é indicado para o tratamento de homens com disfunção erétil. Dados do Portal da Transparência e do Painel de Preços do governo federal mostram oito pregões homologados entre 2020 e 2021, e ainda em vigor neste ano.
A maior parte das aquisições é direcionada à Marinha, com 28.320 unidades do medicamento. No caso do Exército, foram 5.000 comprimidos; e da Aeronáutica, foram 2.000.As informações foram levantadas pelo deputado federal Elias Vaz (PSB-GO), que apresentou um requerimento solicitando ao ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, explicações sobre os processos de compra. Paulo Sérgio assumiu a pasta no último dia 8. Até então, o ministro era o general Braga Netto.
“Precisamos entender por que o governo Bolsonaro está gastando dinheiro público para comprar Viagra e nessa quantidade tão alta. As unidades de saúde de todo o país enfrentam, com frequência, falta de medicamentos para atender pacientes com doenças crônicas, como insulina, e as Forças Armadas recebem milhares de comprimidos de Viagra. A sociedade merece uma explicação”, disse o deputado.
O parlamentar também já questionou outras aquisições feitas pelo Ministério da Defesa. Na semana passada, informou ter identificado compra de alimentos de luxo entre fevereiro do ano passado e fevereiro deste ano. Vaz apontou que só de filé mignon foram 557,8 mil quilos para atender aos comandos da Marinha, da Aeronáutica e do Exército, além da Imbel (Indústria de Material Bélico do Brasil)
O deputado também detalhou que dados da transparência do governo federal mostraram processo de compra, mediante dispensa de licitação, de 373,2 mil quilos de picanha e 254 mil quilos de salmão. No ano passado, ele e outros parlamentares do PSB denunciaram compras de alimentação dentro do governo federal, dessa vez atingindo o Ministério da Economia, com aquisição de picanha, cerveja e uísque.
Em nota, a Aeronáutica informou que o medicamento é usado para hipertensão arterial pulmonar e em pacientes com esclerose sistêmica, para melhor controle do fenômeno de raynaud em pessoas acometidos pela grave doença. A Aeronáutica ressaltou que o uso para o tratamento de disfunção erétil, principal uso indicado do viagra, "não se encontra priorizada nesse tipo de aquisição".
"Entre os usos atualmente aprovados da sildenafila estão principalmente o tratamento para hipertensão arterial pulmonar e para melhor controle do fenômeno de raynaud numa doença grave denominada esclerose sistêmica, o que endossa e motiva a aquisição para utilização do aludido medicamento especialmente no âmbito hospitalar. A utilização para o tratamento da disfunção erétil não se encontra priorizada nesse tipo de aquisição", informou.
No fenômeno de raynaud, o fornecimento de sangue é afetado em determinadas áreas do corpo, geralmente as extremidades (dedos das mãos, pé, orelhas e ponta do nariz), que ficam dormentes e geladas.
"Reiteramos que nossos processos licitatórios são transparentes, com estreita observância aos princípios constitucionais e utilização das ferramentas institucionais e dos sistemas oficiais de compras do Governo Federal, sendo submetidas à fiscalização dos órgãos de controle, interno e externo", pontuou.
A Marinha também afirmou que os processos licitatórios realizados para a aquisição dos medicamentos visam o tratamento de pacientes com hipertensão arterial pulmonar. "Trata-se de doença grave e progressiva que pode levar à morte. A associação de fármacos para a HAP [hipertensão arterial pulmonar] vem sendo pesquisada desde a década de 90, estando ratificado, conforme as últimas diretrizes mundiais (2019), o uso da sildenafila, bem como da tadalafila, com resultados de melhora clínica e funcional do paciente", defendeu.
O Ministério da Defesa enviou uma nota frisando a mesma informação: que "a aquisição de sildenafila visa o tratamento de pacientes com Hipertensão Arterial Pulmonar". "Esse medicamento é recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) para o tratamento de HAP. Por oportuno, os processos de compras das Forças Armadas são transparentes e obedecem aos princípios constitucionais", pontuou.
A mesma justificativa foi apresentada pelo Exército, que informou que o medicamento é utilizado "para o tratamento de hipertensão pulmonar (elevação da pressão arterial nas artérias dos pulmões) em ambiente hospitalar". "Os processos de licitação e compra de medicamentos seguem os preceitos legais previstos e as demandas do Sistema de Saúde do Exército, responsável por prover assistência médico-hospitalar a militares e seus dependentes, totalizando mais de 700 mil pessoas", ressaltou.
Pneumologista da Faculdade de Medicina do ABC, Franco Martins explica que o sildenafil (viagra) foi descoberto justamente para o tratamento de crianças com hipertensão arterial pulmonar. Com o tempo, o medicamento começou a ser usado em adultos e, durante os estudos clínicos, pacientes apontaram a ereção como um evento adverso.
"Isso ainda na década de 90. Com essas informações, passou-se a seguir a linha de pesquisa para tratar disfunção erétil", explicou o médico. De acordo com ele, atualmente existem medicamentos mais modernos para o tratamento da hipertensão arterial pulmonar, considerada uma doença rara, mas que até hoje, na rede pública, usa-se muito o viagra por ser um remédio mais barato.
O médico ressalta que, em relação à dosagem, normalmente se receita as pílulas de 20 miligramas (mg). A maior parte dos comprimidos adquiridos pelos militares, no entanto, são de 25 mg. Franco Martins explica que é plenamente possível receitar o de 25mg, três vezes ao dia, tendo em vista que a diferença de dosagem será pequena.
O Exército e a Marinha adquiriram 800 unidades de 50 mg. Neste caso, o pneumologista explicou que, geralmente, a dosagem não é receitada a pacientes com a doença pulmonar. Ele pontuou, no entanto, que quando algum paciente compra o de 50 mg, os médicos pedem que a pílula seja dividida ao meio, tornando-se duas pílulas de 25 mg.
Notícias R7

Betano: Apostas Esportivas - Faça seu Jogo Online

ANÚNCIOS WEB SERTÃO - (87) 98821-5232