Alckmin é vaiado por petistas em evento de Lula em Natal

Folha de S.Paulo
O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB) foi vaiado nesta quinta-feira (16) em Natal (RN) em evento da pré-campanha do ex-presidente Lula (PT), de quem será vice na chapa à Presidência da República.
Alckmin foi vaiado nas duas vezes em que teve o nome anunciado no início do evento, realizado no estádio das Dunas. Ele e Lula não comentaram os apupos em seus discursos. A defesa ao ex-governador coube à presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, e à governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT).
“Nesse palanque aqui, pode ter gente que divergiu. Pode ter gente que teve diferença e que lutou. Mas está quem defende a democracia contra o Bolsonaro. É contra esse cara que nós temos que lutar”, afirmou Gleisi, sem mencionar o ex-governador.
Fátima também saiu em defesa de Alckmin. Ela agradeceu ao ex-presidente pela “pela sabedoria e sensibilidade” da necessidade de uma frente mais ampla.
“Pelo senhor entender que o momento que o país vive é tão grave, mas tão grave, que se fazia necessário sim esse movimento mais amplo, de construirmos uma aliança de perfil mais progressista. Por isso seja muito bem vindo Geraldo Alckmin, nosso pré-candidato a presidente da República”, disse a governadora.
A petista também foi alvo de algumas vaias ao comparar a aliança com Alckmin à coligação que está formando para sua reeleição ao governo do Rio Grande do Norte.
“Com esse senso de responsabilidade política, inspirados no movimento que o presidente Lula fez, nós estamos fazendo um movimento mais amplo. Trouxemos, sim, o MDB com o deputado Walter [Alves] para o nosso vice, o ex-prefeito do PDT [Carlos Eduardo Alves] para ser o candidato ao Senado. É assim que se faz política. Para que a gente possa avançar e melhorar a vida do povo, a gente precisa primeiro ganhar eleição”, disse a governadora, no momento em que foi alvo de vaias.
O deputado Walter Alves é filho do senador Garibaldi Alves (MDB), que também foi alvo do público na abertura do evento.
O senador Jean-Paul Prates (PT-RN) negou que haja resistências da população ao nome de Alckmin no estado e na região. “De maneira nenhuma o nome dele será barreira para Lula. É una questão de conquista gradual. Como Lula disse, tudo mundo está remando agora para um lado só”.
As vaias foram atribuídas por ele a militantes com raiva do governo atual. Pessoas que acompanharam o evento também disseram que quem vaiou estava na ala mais radical do partido, que só aceita determinadas alianças, mas que isso tende a ser resolvido.
Em seu discurso, Alckmin não comentou as vaias. Num rápido discurso —que chamou de “palavras telegráficas—, com a voz rouca, disse que o presidente Jair Bolsonaro, pré-candidato à reeleição, faz críticas às urnas por temer uma derrota.
“O Bolsonaro, quando diz que desconfia urna eletrônica, ele não confia no voto popular. Sabe que não merece um segundo mandato pelo desastre que levou o Brasil”, disse o ex-governador.
Lula não comentou as vaias ao seu futuro vice na chapa. Ressaltou as políticas sociais das gestões do PT no governo federal.
Ele deu especial atenção ao que considera o protagonismo dos governos do PT na transposição do rio São Francisco. A paternidade sobre a obra vem sendo alvo de uma tentativa de apropriação por parte do presidente Jair Bolsonaro (PL), que finalizou alguns trechos que estavam incompletos.
Estrategistas de Bolsonaro afirmam que a transposição e o Auxílio Brasil são os únicos trunfos que o presidente tem para tentar reduzir um pouco a enorme dianteira de Lula no Nordeste.
O PT, no entanto, lembra que governos do partido foram responsáveis por realizar 88% da transposição. Bolsonaro completou apenas os 2,5% finais.
“Agora o Bozo [Bolsonaro] está dizendo que [foi] ele quem fez. Outro dia vi um baixinho, um tal de [Rogério] Marinho. Ele é daqui? Ele estava numa TV pública dizendo que levou água. Desgraçado, não quer nem pagar pelo plágio que está fazendo. Todo mundo sabe quem construiu 88% do canal foi o governo do PT”, disse o ex-presidente.
O evento de Lula em Natal acontece um dia antes de visita de Bolsonaro à cidade. O presidente vai lançar o programa “Internet Brasil” ao lado do ministro das Comunicações, Fábio Faria.
Gleisi mencionou em seu discurso a visita do presidente à cidade. “O coisa ruim vem para cá? Eu não sei o que ele vem fazer no Rio Grande do Norte”.
O petista, por sua vez, visita nesta sexta-feira (17) Maceió (AL) e, no sábado (18), Aracaju (SE).

Betano: Apostas Esportivas - Faça seu Jogo Online

ANÚNCIOS WEB SERTÃO - (87) 98821-5232