Múmia antiga desenterrada em Luxor, Egito intriga arqueólogos

Os arqueólogos que escavam no Egito estão habituados a encontrar múmias antigas, no entanto, esta descoberta é diferente. Uma meia múmia estranha descoberta na necrópole na zona de Al-Asasif, em Luxor, confundiu os cientistas. A meia múmia foi encontrada no túmulo de Karabasken (TT 391) onde os cientistas também se depararam com quatro frascos canópicos que datavam da 26ª Dinastia anteriormente.
A múmia desconcertante foi descoberta há alguns anos e foi agora relatado que os antigos restos mortais aguardam para serem investigados por peritos.
Segundo uma reportagem publicada pelo jornal Al-Sharq al-Awsat, em 23 de maio, a missão norte-americana que operava na zona de Al-Asasif descobriu dentro do cemitério uma múmia constituída apenas pela metade superior do corpo de um jovem truncado na cintura.
O jornal citou a missão como dizendo que todo o conteúdo do cemitério foi danificado devido a inundações frequentes. Foram encontrados três caixões, incluindo, portanto, a múmia de meio homem truncada. A expedição planeja anunciar os resultados do seu estudo em janeiro de 2024.
Missão em Luxor
A missão Egípcia-EUA tem trabalhado no local desde 2006. Dessa forma, até agora, os cientistas conseguiram limpar, restaurar e reconstruir os túmulos de Karabasken (TT 391), Karakhamun (TT 223), e Irtieru (TT 390), na Cisjordânia de Luxor. A equipe científica também encontrou milhares de fragmentos da decoração colapsada dos túmulos e reconstruiu o segundo salão em pilares, bem como parte do primeiro salão em pilares na necrópole de Karakhamun.
“Os túmulos e cemitérios da zona de Al-Asasif são conhecidos pelas suas belas surpresas e pelas suas magníficas inscrições que podem competir com o Vale dos Reis e Rainhas”, disse Bassam al-Shammaa, investigador em Egiptologia, a Al-Monitor.
O Ministério do Turismo e Antiguidades egípcio afirma que os túmulos são da 18ª, 25ª, e 26ª dinastias, abrangendo então o período de 1550 a 525 a.C. Contudo, os funcionários são cautelosos e não estão dispostos a especular sobre a meia múmia descoberta.
De acordo com Al-Monitor tentou obter mais informações sobre esta perplexa descoberta arqueológica.
“A meia múmia pode ter sido violada e saqueada por ladrões”, explicou Shammaa. A segunda possibilidade é “que o homem tenha sido comido por um hipopótamo, crocodilo ou leão durante uma viagem de caça. Numerosos acidentes deste tipo ocorreram no antigo Egito, segundo a literatura faraônica”.
Outros cenários
“O terceiro cenário, disse ele, pode ser que a parte inferior do corpo tenha se perdido em batalha”, contudo, ele pensa que a explicação animal selvagem é o mais provável. Ele instou a equipe americana da missão, chefiada pela investigadora Elena Pischikova, a divulgar rapidamente os resultados do estudo, “especialmente desde que foi descoberto há oito anos”.
“Esta múmia é um caso único. Penso que o homem mumificado era um militar e perdeu a parte inferior do seu corpo numa luta ou foi comido por um leão ou por um hipopótamo. Ele estava sendo honrado por ser enterrado neste túmulo”, disse Hussein Abdel Basir, diretor do Museu de Antiguidades da Biblioteca Alexandrina, a Al-Monitor.
Ele também enfatizou que “uma explicação científica específica requer longos estudos, e a equipe arqueológica está olhando para a árvore genealógica desta múmia, com análise de DNA ou tomografias computorizadas”.
Já aconteceu no passado que os cientistas descobriram múmias antigas parcialmente destruídas. Um desses casos relaciona-se com o misterioso túmulo egípcio 10A onde alguém cometeu um crime há 4.000 anos e ainda se desconhece o que aconteceu no interior do enterro.
As múmias egípcias têm sido roubadas ou destruídas em várias ocasiões. Reconstruir os acontecimentos do passado distante é um desafio para a ciência moderna. No entanto, ainda há esperança de aprender sobre a identidade da meia múmia encontrada no túmulo de Karabasken (TT 391).
Fonte : ancientpages

Betano: Apostas Esportivas - Faça seu Jogo Online

ANÚNCIOS WEB SERTÃO - (87) 98821-5232