Lula desiste do processo contra padre que o chamou de ladrão após resposta do sacerdote; Veja

Recentemente, Lula desistiu do processo, deixando de atender às intimações da Justiça. Deve dar azar brigar com o divino às vésperas da campanha eleitoral.
O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva acionou a Justiça para cobrar explicações do padre Edison Geraldo Bovo, que durante uma missa na paróquia de Laranjal Paulista, em São Paulo, disse que o petista era “o maior ladrão que o mundo já viu”. A partir daí os advogados de Lula acionaram a Justiça para que o sacerdote respondesse, em 48 horas, uma série de perguntas, alegando que tais falas “constituem fatos que ferem a honra subjetiva e objetiva do Requerente”.
“O maior ladrão que o mundo já viu, o senhor Luiz Inácio Lula da Silva, né. Coitada da família dele, dos pais, da mãe que tem vergonha disso. Onde você pesquisar no mundo, é o pior… a mas é a corja todo mundo, é o pior… a mas é a corja toda”, disse o sacerdote.
Porém, segundo a Coluna Radar, da Veja, o ex-presidente teria desistido da ação, deixando de atender às intimações da Justiça, após a resposta do padre: “Por maior que seja a boa vontade da qual todas as almas são merecedoras, forçoso é reconhecer que em verdade, muito embora não se possa falar em condenação criminal vigente contra o Sr. Ex-Presidente da República, não é possível reconhecê-lo como ‘absolvido’ quando, em verdade, notícias dão conta da perda do direito do Estado de punir por força do advento da prescrição”.
Em sua defesa, o padre falou sobre seu projeto de reinserção social a ex-detentos: “Trata-se de um Padre, um indivíduo que direcionou sua vida para o próximo e que, ao contrário do que parece crer o Sr. Ex-Presidente, não é voltado a discriminar pessoas comuns por seus respectivos passados, haja vista que inclusive é responsável por projetos de reinserção social, bem como da entrega de certificados e promoção do curso denominado Introdução à Justiça Restaurativa e Processo Circular”. (Via: Agência Brasil)