Pesquisadores descobrem o que provocou o colapso da civilização maia

A partir de dados arqueológicos, históricos e paleoclimáticos, pesquisadores conseguiram identificar o que provocou o colapso da metrópole Mayapan, capital da civilização maia, na Península de Yucatán: a seca. Condições climáticas provocaram um conflito civil que acabou com a estrutura política da época e fez com que a população buscasse refúgio em assentamentos menores.
“Várias fontes de dados indicam que o conflito civil aumentou significativamente, e a modelagem linear generalizada correlaciona conflitos na cidade com condições de seca entre 1400 e 1450 EC”, escrevem os pesquisadores, que compõem um time multidisciplinar de profissionais norte-americanos, australianos, mexicanos, canadenses, ingleses e alemães.
Para chegar a essa conclusão, foram analisados mais de 800 anos de informações, que dados climáticos, dietas contemporâneas e mudanças populacionais, além do estudo de restos humanos em busca de lesões traumáticas, indicativas de conflitos. Eles identificaram uma correlação entre os períodos de chuvas com o aumento populacional. A seca subsequente prejudicou a agricultura e as rotas de comércio, provocando tensão entre os habitantes de Mayapan.
“Registros arqueológicos e históricos são adequados para examinar os efeitos sociais passados ​​das crises climáticas em ciclos de longo prazo”, escrevem os estudiosos. E apontam que embora cada povo, em cada época, reaja de maneira diferente a crises específicas, o estudo oferece um alerta de como mudanças climáticas podem provocar o colapso de civilizações prósperas e bem estabelecidas.
As descobertas foram publicadas no periódico científico Nature Communications.