Sinais: Últimos remanescentes judeus da Etiópia chegarão a Israel

O Gabinete de Israel aprovou neste domingo (15) por unanimidade uma proposta do Ministério do Interior para retomar a aliá (remanescência) da Etiópia. Segundo informações de Israel, cerca de 9 mil pessoas estavam esperando a aprovação para fazer o caminho de volta para o estado judeu.
Israel havia suspendido a remanescência dos judeus etíopes em 2013, porém a luta de alguns ativista fez o governo rever sua decisão ao qual permitira que os últimos imigrantes etíopes ligados a Israel possam retornar ao país israelense.
Segundo a reportagem do jornal de Jerusalém JPost, a decisão do gabinete de domingo, serão permitida a entrada de etíopes ao estado judeu os que se mudaram para Gondar ou Addis Ababa (zona de transição) após janeiro de 2013, e que estão dispostos a se converter ao judaísmo e que tem parentes em Israel. “Os principais critérios para receber um visto de entrada para Israel, são descendentes de judeus etíopes no lado de suas mães, e que eles aparecem em uma das listas anexas às decisões do governo em questão. Concluídas essas decisões do governo, verifica-se que muitas famílias da comunidade etíope foram divididas. Alguns membros estão em Israel, enquanto outros permanecem na Etiópia”, uma cópia da proposta que vazou para a imprensa na semana passada explicou. Em um comunicado à imprensa no domingo, o Ministério do Interior disse que um comitê composto por representantes do Gabinete do Primeiro Ministro, a População, Autoridade da Imigração, o Ministério de Imigração e Absorção, o Ministério das Finanças e da Agência Judaica será encarregado de examinar a elegibilidade dos candidatos. O Ministro do Interior, Silvan Shalom, descreveu o movimento do gabinete como “uma decisão importante que vai trazer os últimos descendentes de judeus etíopes e irá uni-los com suas famílias em Israel. Shalom tem pressionado para uma renovada imigração etíope por algum tempo, afirmando que tinha a intenção de trazer para Israel entre 6.000 e 7.000 pessoas durante o seu mandato. O primeiro ministro Benjamin Netanyahuigualmente elogiou a decisão, dizendo que era “um passo importante que permitirá a unificação de famílias etíopes que estão no país, alguns dos quais foram divididas ao longo dos anos.
“Esta é a segunda vez durante o meu mandato como primeiro ministro que aprovamos uma resolução para a questão de trazer os membros das comunidades com uma afinidade para Israel. Esta é uma questão importante e vamos continuar a promovê-la”, disse Netanyahu. O etíope-israelense Abraham Naguise, um dos ativistas para aliá etíope, elogiou a decisão, chamando domingo um grande dia para o povo judeu. “Eu felicito o primeiro ministro e o ministro do interior sobre esta decisão histórica e significativa para judeus etíopes e suas famílias em Israel. Por milhares de anos, os judeus etíopes orou a imigrar para Israel, e muitos esperou por quase uma década, dolorosamente arrancados de suas famílias. “Hoje as suas preces foram atendidas”.
De acordo com o ministro do interior de Israel, essa será a última parte de remanescentes judeus-etíopes que retornarão a Israel.
André Santos
Portal Padom