Mostrando postagens de Julho 3, 2016Mostrar tudo

'Não me incomoda minimamente ser chamado de golpista'

Presidente interino da República fala a VEJA sobre acusações de "golpe", mudanças no comando da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e o desejo de escrever um romance
Michel Temer: ‘Nunca soube que alguém pudesse dar verbas fora da doação oficial’(Cristiano Mariz/VEJA)

O presidente interino da República, Michel Temer, afirmou em entrevista à edição de VEJA desta semana que a Operação Lava Jato não vai abalar o seu governo e que a economia dará sinais de melhora após a definição do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Temer também falou sobre a troca no comando da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e seu desejo de escrever um novo livro. Leia trechos da entrevista.

"SABOTAGEM" NO GOVERNO E O CASO EBC
"Eles (os petistas) ficaram 13, 14 anos no governo. Têm muita gente nos vários setores da administração. Eu sei até que de vez em quando alguns pretendem trabalhar contra, mas como eu criei no primeiro escalão uma equipe muito sólida, acho que não têm obtido sucesso. Mas há, por exemplo, o caso da Empresa Brasileira de Comunicações (EBC), que parece que tem 2 500 funcionários, e aquela televisão, "traço zero". Lá, houve uma resistência. É que lá deu-se um mandato dez dias antes da saída da senhora presidente. Nós tivemos de mudar um pouco isso, porque, convenhamos, comunicação é tudo no governo. Mas pleiteou-se uma medida judicial. Então, na Comunicação nós não temos, digamos assim, muito apoio."

SER CHAMADO DE "GOLPISTA"
"Não me incomoda minimamente. Mas acho que dizer isso reflete uma ignorância política extraordinária, além de produzir uma agressão institucional igualmente extraordinária. O artigo 79 da Constituição diz que o vice presidente deve substituir o presidente nas suas ausências ou impedimentos. Eu tenho legitimidade constitucional! Depois, quando começou essa questão do impeachment, eu, percebendo que o vice é sempre o principal suspeito, fui para são Paulo. Fiquei lá três semanas. Alguns me procuraram lá, claro, é natural. Mas depois eu soube de uma reunião que fizeram aqui no Palácio dizendo que a ideia era desconstruir a figura do vice-presidente tanto no plano institucional quando no plano pessoal. Daí, eu achei demais. Pensei: "Não posso mais ficar em silêncio". Então, na semana que antecedeu a votação da Câmara, eu vim para cá. E veio aquele resultado, 367 votos."

A LITERATURA E O ROMANCE QUE QUER ESCREVER
"Eu morava numa cidade pequena, onde não havia livrarias, mas tinha uma professora de português que estimulava muito os alunos à leitura. Ela dizia: "Michelzinho, vá à biblioteca da prefeitura, pegue um livro, fique dez dias com ele, pegue outro". Foi assim que eu eu li Machado de Assis, José de Alencar, Joaquim Manuel de Macedo. Dos 13 aos 16 anos, li toda a obra deles. Quando entrei na faculdade, me formei e fiz doutoramento, escrevi livros técnicos, mas sempre quis escrever algo que fosse meu (...). Agora, se Deus quiser, meu segundo livro será um romance. Eu tenho tudo na cabeça. O dia em que eu parar, vou escrever um romance. Não será uma biografia, mas terá elementos pessoais. Você sabe que todo primeiro livro que você escreve na vida é sempre fruto de suas experiências desde a infância. Eu me recordo de coisas de quando eu tinha dois anos de idade, tenho a memória muito viva dos fatos. Todo escritor coloca em seu primeiro livro muito de sua experiência pessoal. Veja "Bom dia, Tristeza", de Françoise Sagan. Tinha muito da experiência pessoal dela. O segundo já era diferente. Assim também foi com Vargas Lhosa, Gabriel Garcia Marquez e muitos outros."

QUEM É O CORONEL JOÃO BATISTA LIMA FILHO

"É meu amigo. Vou contar a história: fui secretário de Segurança no governo Franco Montoro e, quando cheguei lá, não tinha a menor ideia do que era era o setor. No meu gabinete, havia uma equipe de policiais militares e civis e um deles era o João Batista Lima Filho. O outro era o Julio Bono Neto, que se ligou muito a mim também. Os dois me ampararam muito naquele período. E quando eu fui candidato a deputado federal, o Lima e o Bono praticamente articularam toda a minha campanha. Mas, a essa altura, o Lima já era sócio de um escritório de arquitetura, ele era arquiteto também. E depois, em toda campanha, ele vinha coordenar, ele e o Julio Bono. E ficou muito próximo, muito meu amigo. Prosperou no trabalho, logo se aposentou na PM e desenvolveu os trabalhos de arquitetura dele. Você está dizendo isso por causa de uma declaração de um sujeito que disse que deu não sei quanto a ele, não é? (em abril, a revista Época publicou que um dos donos da Engevix afirmou numa proposta de delação premiada que Temer teria recebido, por intermédio do coronel Lima, 1 milhão de reais em propina por um contrato fechado entre a empreiteira e a Eletronuclear). Muito bem, fui verificar com ele o que era isso. Ele prestou um serviço para uma empresa, ele tem uns calhamaços lá de serviço prestado, houve uma contratação dele para fazer esse serviço, e por este serviço foi paga aquela importância, que, aliás, não era 1 milhão, era um 1 100 milhão. Foi pago pelo serviço. Uma das revistas foi à empresa e a empresa confirmou: "Sim, contratatamos o serviço e pagamos". Foram a ele e ele disse: "Está aqui o serviço"."

Oh shit. Inteligência Artificial vence piloto de caça humano em todos os combates

A gente imagina (corretamente) que avião é mais complicado do que carro, afinal tem que se mover em um espaço tridimensional e não pode parar para consultar o Guia Rex no porta-luvas ou pedir informação no posto. Só que ao contrário do que diz o nosso bom-senso, que não vale de nada, é bem mais simples voar do que dirigir.
Tanto é que o primeiro piloto automático, capaz de controlar um avião em determinado rumo e altitude foi lançado em 1912. HOJE não temos carros automáticos funcionando de verdade fora alguns testes como aquele kinder ovo do Google.
O que é assustador é perceber que a facilidade de ensinar um computador a pilotar um avião não se resume a manter o bicho estabilizado, seguir a rota até o destino e se o aeroporto for certificado, realizar toda a manobra de pouso. Nem assusta a instrução de um piloto de F-18 ao decolar de um porta-aviões ser “tira as mãos dos controles o computador cuida de tudo”.
Não veja este filme.
O que assusta é que Nicholas Ernest, junto com outros pesquisadores desenvolveram um sistema de inteligência artificial baseado em Lógica Difusa que não só pilota (em simulador) uma aeronave de combate, como tem resultados extremamente bons.
Em um paper chamado Genetic Fuzzy based Artificial Intelligence for Unmanned Combat Aerial Vehicle Control in Simulated Air Combat Missions eles detalham o funcionamento do ALPHA, seu software de IA.

'As mídias sociais entristecem e queremos mudar isso', diz Orkut sobre nova rede

Orkut Büyükkökten deixou o Google em 2014 para criar sua nova rede social, a Hello
Há 12 anos, o engenheiro turco Orkut Büyükkökten ficou famoso no Brasil ao emprestar seu nome para o site que popularizou no país o conceito de mídia social. Agora, ele está de volta com uma nova - e ambiciosa - empreitada na área: a rede social Hello, que chega ao Brasil em julho.
A Hello foi apresentada oficialmente na semana passada como uma rede para fazer e manter "amizades profundas" com outras pessoas com base em interesses e paixões mútuos e onde o "medo e o ódio não têm vez".
É a forma como o criador do Orkut acredita poder ajudar a resolver uma questão que vem afastando algumas pessoas desse tipo de serviço. Ainda que persista a pergunta: há espaço para mais uma rede social entre os usuários de internet?
"Desde que lançamos o Orkut, as redes sociais evoluíram muito, mas nem sempre de uma forma boa. Estudos mostram que, hoje, elas deixam muita gente triste ou ansiosa", opina Büyükkökten em entrevista à BBC Brasil.
"Uma pessoa usa o Facebook pensando na forma como quer ser percebida publicamente, interage com os outros tentando passar uma certa imagem, mas isso não é autêntico nem divertido. Queremos mudar isso e ser a próxima geração das redes sociais."
O engenheiro dá o exemplo de um casal de amigos que está se divorciando, mas publicou recentemente um post em que pareciam bastante felizes em um piquenique no parque.
"Ao mesmo tempo, ver essa 'vida feliz' dos outros nos deixa com medo de estarmos perdendo algo em nossas próprias vidas. Uma rede social não pode ter esses efeitos. Ela deveria tirar o melhor das pessoas."

Como Zuckerberg: veja 5 dicas supersimples para prevenir ataques hackers

Mark Zuckerberg virou notícia depois de revelar um truque simples para evitar ataques hackers. O dono do Facebook adotou um pedaço de fita adesiva para evitar ser espionado através da câmera do seu laptop, um Macbook. Se o invasor conseguir ligar a câmera remotamente, o invasor não conseguirá ver ou ouvir o que ele estará fazendo.
A novidade mostrou que "Zuck" se preocupa sim com sua segurança, apesar de ter usado senhas fracas em outras redes sociais no passado.
A medida poderia ser entendida como exagero, mas as invasões a câmeras de segurança e até a babás eletrônicas estão se tornando frequentes. Possivelmente Zuckerberg conta com outros meios para impedir o acesso de estranhos, como antivírus e firewall, mas a fita crepe é uma forma muito simples e eficiente para criar mais uma barreira para criminosos virtuais. Não é preciso sequer muito trabalho ou tempo gastos em configuração.
Selecionamos abaixo mais quatro dicas do mesmo calibre para se prevenir. Porém, não confie apenas nessas únicas dicas: procedimentos de sempre, como usarsenhas fortes, bons antivírus e um comportamento seguro no celular ainda são fundamentais.

Smartphone mais barato do mundo começa a ser entregue

 
A Ringing Bells tem se mantido quieta após ter causado furor, no começo do ano, com o anúncio do que seria o smartphone mais barato do mundo. Agora a companhia indiana voltou a falar publicamente, e fez isso para informar que finalmente começará a entregar os aparelhos.
Trata-se do “Freedom 251”, cujo nome faz referência ao preço de 251 rúpias (cerca de R$ 12,50). Em entrevista ao Indian Express, o fundador e CEO da Ringing Bells, Mohit Goel, afirmou que as entregas começarão em 30 de junho: “Estamos prontos com quase 200 mil [unidades do] ‘Freedom 251’.”
Quando anunciou o aparelho, em fevereiro, a companhia prometia entregar 2,5 milhões de unidades até 30 de junho, porém, o site da Ringing Bells recebeu mais de 70 milhões de acessos e seu sistema de pagamentos parou de funcionar em apenas três dias.
Há muita desconfiança na indústria em relação ao Freedom 251, porque especialistas dizem que é impossível fabricar um smartphone tão barato. Mesmo que se trate de um modelo modesto, levando em conta que ele tem conexão 3G, processador de 1.3 GHz, 1 GB de RAM e 8 GB para armazenamento (chega a 32 GB com cartão), além de câmeras traseira de 8 MP e frontal de 3,2 MP, e bateria de 1.800 mAh.
Disponível nas cores branco e preto, o Freedom 251 virá com Android 5.1 (Lollipop). E o próprio Goel admite que o aparelho dará prejuízo. Para ser mais exato, ao cobrar 251 rúpias por unidade, sua empresa terá de tirar 140 rúpias dos bolsos para cobrir os custos.
A ideia da Ringing Bells é ganhar dinheiro com volume de vendas, e a companhia parece acreditar que a aposta dará resultado, pois planeja lançar uma TV seguindo o mesmo esquema. O aparelho, com tela LED de alta resolução em 32 polegadas, custará menos de 10 mil rúpias (R$ 496) - no país não se compra uma dessas por menos de 13 mil rúpias (R$ 645).

Glória Maria visita tribo rastafári na Jamaica, fuma maconha e diz que ficou tonta...

Glória Maria fumou maconha durante uma reportagem exibida pelo "Globo Repórter" desta sexta-feira (01). A jornalista viajou até a Jamaica para mostrar a cultura e tradições do país, onde o uso de maconha é permitido para fins religiosos.
Durante uma visita a uma tribo rastafári, ela recebeu um convite para participar de um ritual e acabou aceitando. "Eles estão querendo que eu prove isso também (maconha), eu não sei fazer essa oração, mas eles querem que eu tente. Recusar nem pensar, seria um desrespeito à tradição", explicou a jornalista.
Após experimentar a "ganja", nome dado para a maconha na Jamaica, Glória Maria explicou aos telespectadores a sensação que sentiu. "No primeiro momento fiquei totalmente tonta. Para quem não está acostumado, é preciso tempo para entender", disse.
A lei que descriminalizou a maconha na Jamaica é recente. Entrou em vigor há pouco mais de um ano, mas a tradição de fumar "ganja" no país é antiga.

NY ganha parque elevado em local de atentado

O Liberty Park é um contraponto à tristeza do 11 de setembro
O novo parque fica no local onde existia um prédio destruído pelo atentado terroristaAndrew Kelly/Reuters
Sete metros acima do nível da rua, está o novo parque elevado da cidade de Nova York, nos Estados Unidos. Inaugurado esta semana, o Liberty Park tem uma arquitetura moderna, no estilo do High Line, e é uma rara área verde no coração financeiro da metrópole.
Uma das joias do parque é um jardim vertical com mais de 800 espécies de plantas. Trata-se de mais um passo para recuperar a área atingida pelos ataques de 11 de setembro.
O novo parque fica no local onde existia um prédio destruído pelo atentado terrorista. Custou US$ 50 milhões, cerca de R$ 160 milhões, e oferece uma nova vista do memorial que homenageia as vitimas do ataque.
O Liberty Park atrai muitos turistas, mas é também um local frequentado por quem trabalha por lá há muito tempo. Gente como Zayr Joffrey, que viu de perto a destruição das torres gêmeas.
Para ele, o verde do parque traz harmonia e tranquilidade para uma região para sempre marcada pela dor. “É como um contraponto à tristeza do que aconteceu no World Trade Center”, diz.
Quase 15 anos depois do ataque, a área das antigas torres gêmeas vai ganhando finalmente um contorno definitivo, com destaque para o novo One Wolrd Trade Center, o prédio mais alto de Nova York, de onde é possível ter uma das mais belas vistas da cidade.