PREFEITURA

xxxxxxxxxxxx

Moro: “Estou indo pra consolidar os avanços da Operação Lava-Jato em Brasília”

Juiz acredita que poderá desempenhar a função de ministro com tranquilidade.
O juiz Sérgio Moro concedeu uma longa entrevista ao Fantástico, da TV Globo, que foi exibida na noite deste domingo (11). Apesar de a jornalista Poliana Abritta ter procurado criar “saia justa” com alguns posicionamentos, o futuro ministro da Justiça no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro abordou com naturalidade acusações comuns contra ele.
Ao falar sobre a decisão de se desligar da magistratura após tantos anos, explicou que foi uma decisão pensada e que está ciente das consequências. Ele negou estar fazendo ativismo político, como vem sendo aventado pelo PT e partidos aliados.
Moro contou que não tinha amizade com Bolsonaro e que foi sondado pelo cargo pelo economista Paulo Guedes no dia 23 de outubro, cinco dias antes do segundo turno. Mesmo admitindo ter ficado “tentado” com o possibilidade de ser ministro da Justiça só tomou uma decisão depois do segundo turno, no dia 1º de novembro, quando teve um encontro oficial com o presidente eleito no Rio de Janeiro.
O magistrado admite que “Há uma grande expectativa” sobre sua atuação, mas que espera corresponder. Ente os vários temas abordados na entrevista, declarou-se favorável à questões como a flexibilização para a posse de arma de fogo e diminuição da maioridade penal, pautas caras ao próximo presidente.
⏩    Mostrar matéria completa  
Sérgio Moro também rebateu as acusações que teria interferido nas eleições com suas decisões em relação aos processos de Lula sob sua responsabilidade. “Existe essa fantasia de que o ex-presidente Lula, que foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, teria sido excluído arbitrariamente das eleições por conta do processo criminal. Mas o fato que ele tá condenado e preso porque ele cometeu um crime”, reiterou.
Combate à corrupção e ao crime organizado
Ciente de que haverá muita pressão, o juiz acredita que poderá desempenhar a função de ministro com tranquilidade. “Não assumiria um papel de ministro da Justiça com risco de comprometer a minha biografia”, enfatizou.
“O grande motivador dessa aceitação do convite foi a oportunidade de ir a Brasília numa posição de poder elevada de ministro da Justiça e poder implementar com essa posição uma agenda anticorrupção e uma agenda anticrime organizado que não se encontram ao alcance de um juiz de Curitiba, mas podem estar no alcance de um ministro em Brasília”, destacou.
Ponderando sobre o que lhe aguarda nos próximos anos, foi enfático: “Estou indo para consolidar os avanço da Lava Jato em Brasília. Em parte, nas eleições, havia um sentimento muito forte contra o sistema político, que apesar de todos os casos de corrupção, nada fez. O presidente eleito foi identificado como alguém que modificaria esse status quo”.
Ele disse que não é político e que sua função no governo será técnica. Descartou qualquer possibilidade de vir a concorrer à presidências daqui a quatro anos. Já sobre a perspectiva de ocupar uma vaga no Supremo Tribunal Federal, que deverá abrir uma vaga antes do fim do mandato e Jair Bolsonaro, não nega que seu nome poderá “ser cogitado”.
Reproduzido por Blog Tv Web Sertão
...............................................................
ANÚNCIOS WEB SERTÃO - Veja os anúncios comerciais em nosso Blog (CLICK AQUI)
ELITE DIGITAL FESTAS E EVENTOS - Vai fazer festa? (CLICK AQUI) 
AFOGADOS VEÍCULOS.COM - Lojas, Peças e Serviços em Afogados (CLICK AQUI)

Compartilhe: WhatsApp, Faceboock, etc...