Assassinos de conselheiros tutelares de Poção devem seguir para julgamento

O caso do assassinato de três conselheiros tutelares de Poção, no Agreste, e de uma idosa, em fevereiro de 2015, deve seguir para julgamento pelo Tribunal do Júri. A defesa dos acusados havia entrado com recurso para impedir a realização do julgamento, mas a 1ª Câmara Regional de Caruaru, órgão do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), negou o pedido.
O Ministério Público de Pernambuco também já tinha solicitado que o caso fosse retirado do segredo de Justiça, uma vez que as medidas necessárias à proteção à criança não se justificam mais, quatro anos após o cometimento do crime e tendo em vista que os acusados se encontram presos, aguardando o julgamento. Esta matéria, contudo, não foi objeto de análise nesta ocasião.
Os conselheiros Carmem Lúcia da Silva, Daniel Farias e Lindenberg Vasconcelos seguiam de carro após resgatar uma criança que morava com o pai, que havia perdido a guarda da menina para a avó materna. Os quatro foram surpreendidos em uma emboscada. O carro foi alvejado e somente a criança, de dois anos, sobreviveu.