https://www.facebook.com/pg/saudeiguaracy/posts/?ref=page_internal

Chefe da OMS alerta que “o pior ainda está por vir” em relação ao surto de coronavírus

A OMS garante que alerta "desde o primeiro dia" sobre os perigos do novo coronavírus. Tedros lamenta muitos países começaram a facilitar medidas restritivas para minimizar a propagação da doença.
http://www.afogadosveiculos.com/search/label/LOJAS%20DE%20VE%C3%8DCULOS%20COM%20SITE?&max-results=500?m=1/
O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, anunciou nesta segunda-feira, em 20 de abril, durante uma conferência de imprensa, que “o pior ainda está por vir” em relação à pandemia da coronavírus COVID-19. Esse funcionário da OMS emitiu esse aviso porque muitos países começaram a facilitar medidas restritivas para minimizar a propagação da doença.
Apesar de Adhanom não ter especificado por que ele acredita que o surto que infectou pelo menos 2,43 milhões de pessoas e matou mais de 166.000 poderia piorar, alguns especialistas destacam o possível aumento de infecções nos países africanos com os sistemas saúde menos desenvolvida que outras, relata a agência da AP.
Esse alto funcionário comparou a situação atual com a chamada gripe espanhola de 1918, que acabou com a vida de quase 100 milhões de pessoas, pois estimou que ambos os fenômenos têm “uma combinação muito perigosa”.
Além disso, Adhanom Ghebreyesu garantiu que a OMS alerta “desde o primeiro dia” sobre os perigos do novo coronavírus e acrescentou que “agora podemos evitar esse desastre” porque “temos tecnologia”.
A OMS planeja enviar cerca de 180 milhões de máscaras cirúrgicas para vários países em abril e maio e solicitou 30 milhões de kits para diagnosticar a covid-19 nos próximos quatro meses.
Respeitando as críticas do presidente dos EUA, Donald Trump, que anunciou que seu país deixaria de financiar a OMS na semana passada, Adhanom enfatizou que as divisões entre pessoas e partidos políticos “alimentam” a pandemia e confirmou que especialistas de O Centro Americano de Controle de Doenças tem sido uma parte importante de sua organização para combater o surto de coronavírus desde o início, e nenhum estado membro ocultou “nada”.