Brasil tem piora simultânea e inédita da pandemia, diz Fiocruz

O Brasil tem, pela primeira vez desde o início da pandemia de Covid-19, a piora simultânea de diversos indicadores, como o crescimento do número de casos e de óbitos, a manutenção de níveis altos de incidência de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag), alta positividade de testes e a sobrecarga dos hospitais, segundo Boletim do Observatório Fiocruz Covid-19, divulgado na terça-feira (2).
O cenário alarmante, segundo a análise, representa apenas a ponta do iceberg de um patamar de intensa transmissão no País. Ainda de acordo com a nota, 19 estados têm atualmente taxas de ocupação de leitos de UTI acima de 80%, sete a menos que no boletim anterior, do dia 22 de fevereiro. Por isso, o órgão considera que a situação atual precisa da adoção ampla de medidas de distanciamento social.
O Boletim analisa um conjunto de dados do SUS (Sistema Único de Saúde) sobre casos, óbitos e taxas de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) Covid-19 para adultos no país verificados em 1º de março, em comparação aos observados em 22 de fevereiro.
O crescimento rápido a partir de janeiro, de acordo com a investigação, é o pior cenário em relação às taxas de ocupação de leitos de UTI para adultos em vários estados e capitais, que concentram a maior parte dos recursos de saúde e as maiores pressões populacionais e sanitárias que envolvem suas regiões metropolitanas.
Diante desse quadro, os pesquisadores do Observatório Fiocruz Covid-19 ressaltam que os desafios atuais exigem um enfrentamento de todos os setores do sistema de saúde, não apenas em hospitais, mas também no reforço de ações de atenção primária (APS) e vigilância em saúde.
A edição ainda pontua que a situação atual, de crise sanitária e social, exige medidas que envolvam o sistema de saúde brasileiro nas áreas de vigilância e atenção à saúde, além de ações para mitigar os impactos sociais da pandemia, principalmente para os mais vulneráveis. (Via: R7)