Mulheres podem ser alérgicas ao sêmen e impotência sexual é uma das sequelas da Covid, alerta sexóloga


Apesar de raro, as mulheres podem ser alérgicas ao sêmen. Segundo a sexóloga Cris Arcuri, não adianta trocar de namorado, pois o problema é uma reação alérgica às proteínas presentes no fluido seminal/esperma.
O mais comum é que a reação ao esperma surja dentro de 30 minutos após a ejaculação e os sintomas durem cerca de 24 horas se forem generalizados. Na vagina, os sinais podem ser ardência, sensação de calor, inchaço, vermelhidão e coceira. Eles costumam demorar mais para desaparecer.
Já os sintomas sistêmicos mais corriqueiros são a urticária, inchaço nos lábios, conjuntivite alérgica, rinite e dificuldade respiratória. É muito importante procurar um médico para que o diagnóstico seja dado com precisão.
Sequelas da Covid-19
Em entrevista ao BNews Agora na noite desta sexta-feira (12), a sexóloga Cris Arcuri abordou diversos temas e um deles foi a impotência sexual como uma das sequelas da Covid-19. Ela destacou que os estudos são novos, mas mostram que, como a doença é muito agressiva na parte circulatória e pulmonar, o homem não consegue ter o mesmo desempenho sexual que possuía antes do coronavírus.
“A impotência sexual pode ocorrer três meses após a Covid-19. Então, é importante que os homens fiquem atentos. Já as mulheres têm observado que uma sequela comum tem sido a queda de cabelo”, informou Cris.
Para quem está em busca do prazer durante o isolamento social, ela deu duas opções: usar encontros online para fazer sexo virtual ou se estimular através de brinquedos sexuais em casa. Essa estimulação serve tanto para solteiros como para casais.