Consumir álcool não altera efeito da vacina, dizem entidades e órgãos

As pessoas que receberam a vacina contra a Covid-19 não precisam suspender o consumo de bebidas alcoólicas pelo período de pelo menos 30 dias, de acordo com entidades e os fabricantes dos imunizantes.
A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), por exemplo, afirma que não tem qualquer recomendação nesse sentido. Em entrevista ao Globo, a médica Mônica Levi, diretora da SBIm, afirma que a propagação da recomendação tem ligação com o despreparo dos profissionais da saúde.
“Há muito tabu e muito despreparo dos profissionais da saúde que estão nas salas de vacinação. Infelizmente o Brasil não deu conta de fazer um bom treinamento dos profissionais, e cada um fala o que quer”, disse.
Os fabricantes dos imunizantes usados no Brasil, CoronaVac e Oxford, não alertam para o risco de efeitos colaterais. Os voluntários que participaram dos estudos clínicos também não foram comunicados sobre a suspensão do consumo.
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão responsável por avaliar e liberar os produtos no país, o Instituto Butantan, que produz a CoronaVac, a Fiocruz e o Ministério da Saúde, também negaram efeitos adversos.