Com repasse de R$ 71,6 milhões, IBGE trabalha em atividades preparatórias do Censo de 2022

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) teve a liberação de R$ 71,6 milhões do governo federal para realizar neste ano etapas preparatórias do Censo Demográfico de 2022. O repasse pelo Ministério da Economia, a partir da abertura de crédito suplementar, consta em publicação no Diário Oficial da União na semana passada.
Consultado pela reportagem, o IBGE informou nesta segunda-feira (28) que o montante será usado para custear despesas com analistas censitários temporários, que já trabalham no instituto.
"No dia 21 de junho de 2021, foi publicada no Diário Oficial da União a Portaria nº 7.048, pela qual o Ministério da Economia liberou para o IBGE R$ 71 milhões. Esse montante se destina a custear a permanência, até o final de 2021, dos analistas censitários temporários, que já trabalham no Instituto em operações preparatórias para o Censo Demográfico, a ser realizado em 2022", disse o IBGE.
A confirmação da quantia ocorre em torno de um mês depois de o STF (Supremo Tribunal Federal) estabelecer a realização do levantamento no próximo ano. Em maio, o IBGE informou que organizaria um plano para cumprir a decisão judicial, mas que haveria "necessidade urgente" de recomposição de recursos para conclusão de etapas preparatórias do Censo.
Produzido a cada dez anos, o levantamento mergulhou em impasse no país. A nova edição da pesquisa estava prevista para 2020, mas foi adiada para 2021 em razão da pandemia. O que acabou inviabilizando o trabalho pela segunda vez foi o corte de recursos destinados à pesquisa.
O Orçamento de 2021, sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), passou a prever R$ 53 milhões para o Censo. Antes, a quantia estimada era de R$ 2 bilhões, mas foi reduzida ao longo da tramitação do projeto no Congresso.
Em maio, o IBGE chegou a solicitar auxílio da AGU (Advocacia-Geral da União) para tentar garantir a verba necessária. O instituto relatou à época que fez o contato para que a AGU mediasse as tratativas em busca de recursos.
A incerteza relacionada ao Censo espalhou preocupação entre especialistas. É que o levantamento representa a pesquisa mais detalhada sobre as características demográficas e socioeconômicas do país.
Sem ele, o temor é de que o Brasil amargue uma espécie de apagão estatístico. Na prática, os dados apurados pelo IBGE servem como base para políticas públicas e decisões de investimento de empresas. Por exemplo: antes de fazer um aporte em uma região, um empresário tende a analisar traços do mercado consumidor local.
"Entre várias outras atividades preparatórias, o IBGE está se preparando para a realização de um teste de homologação de equipamentos e sistemas, a fim de realizar os últimos ajustes, se necessários. Este teste será realizado este ano nos municípios de Paulo de Frontin, Angra dos Reis e Paraty", disse o instituto nesta segunda-feira.

ANÚNCIOS WEB SERTÃO - (87) 98821-5232