Caso Beatriz: Todas as testemunhas que participaram da reconstituição reconheceram suspeito, diz advogado dos pais da vítima

Todas as testemunhas que participaram da reconstituição simulada do assassinato da menina Beatriz Angélica Mota, de 7 anos, reconheceram Marcelo da Silva, de 40 anos, como autor do crime. A informação foi confirmada pelo advogado dos pais de Beatriz, Jaime Badeca, durante os trabalhos realizados pelos peritos da Polícia Civil de Pernambuco, nesta sexta-feira (11) em Petrolina, no Sertão.
"Uma de cada vez, foram colocadas diante não apenas do suspeito, mas como manda o Código de Processo Penal, outras pessoas também. Em torno de cinco pessoas, para que essas testemunhas possam, dentro desse grupo, identificar quem elas viram realmente, o que a memória fotográfica delas pode indicar nesse momento", explicou o advogado.
As dez testemunhas são pessoas que estavam na formatura do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em dezembro de 2015, quando Beatriz foi morta a facadas. Elas teriam visto o suspeito na noite do crime. É o caso do comerciante Marcílio Gomes, que conta ter visto Marcelo duas vezes nas imediações do local onde a festa acontecia.
"Dúvida nenhuma. Eu quando entrei na sala já fui apontando a numeração que ele estava. Na hora que eu olhei para ele comecei lembrar dele subindo na calçada. Eu o vi duas vezes. Uma foi de costas e uma nesse momento que ele sobe na calçada, quando ele parte para a escola. Eu acredito que seja nesse momento que ele entra na escola e faz esse bárbaro crime que ele cometeu".
A defesa de Marcelo, que está preso como suspeito do crime na Penitenciária Doutor Edvaldo Gomes em Petrolina, expressou descontentamento com o reconhecimento e alegou que irá solicitar impugnação.
“Iremos judicializar o ato, porque uma situação de extrema estranheza aconteceu. Todo mundo sabe que há mais de um mês vem ventilando a foto do Marcelo trajando uma camiseta amarela. Curiosamente Marcelo me aparece na hora do reconhecimento com uma camiseta amarela. Isso é tendencioso. Vamos judicializar e certamente essa perícia será invalidada”, destacou o advogado de Marcelo da Silva, Rafael Nunes.
Marcelo da Silva, se tornou o principal suspeito do assassinato de Beatriz em janeiro de 2022, seis anos após a morte da menina. Ele foi apontado como autor do crime pela polícia, após exames de DNA, colhidos na faca, comprovarem a participação dele no crime. Marcelo chegou a confessar, mas voltou atrás e se diz inocente.
Durante o dia, foi grande a movimentação de testemunhas na delegacia. Marcelo saiu do local por volta das 12h, sendo levado para o presídio de Petrolina. A reconstituição simulada estava prevista para continuar até o sábado (12), mas procurada pelo g1, a Polícia Civil de Pernambuco informou que o inquérito está sob segredo de Justiça e, por isso, não serão dadas informações, etapas e detalhes das investigações.
O anúncio da autoria do crime ocorreu seis anos, um mês e um dia depois do assassinato da menina Beatriz.
Também aconteceu 15 dias depois que os pais da garota percorreram mais de 700 quilômetros a pé, entre Petrolina e o Recife, para pedir justiça.
A peça-chave para o esclarecimento do caso foi a faca usada no crime. Os peritos coletaram o DNA no cabo da arma, deixada no local do homicídio. As amostras estavam misturadas ao sangue de Beatriz.
O DNA de Marcelo da Silva já estava no banco genético do estado desde 2019, quando foi feito um mapeamento de criminosos condenados. (Via: G1 Petrolina)

Betano: Apostas Esportivas - Faça seu Jogo Online

ANÚNCIOS WEB SERTÃO - (87) 98821-5232