Bolsonaro chama anestesista preso de “maldito” e “vagabundo”

O presidente Jair Bolsonaro (PL) lamentou nesta 2ª feira (11.jul.2022) não haver a possibilidade de prisão perpétua para o médico anestesista Giovanni Quintella Bezerra, preso em flagrante na madrugada desta 2ª por abusar de uma paciente grávida sedada. Sem citar o nome do médico, Bolsonaro o chamou de “maldito” e “vagabundo”, em sua conta oficial no Twitter.
“É extremamente lamentável que a nossa Constituição não permita sequer que o maldito estuprador que abusou de uma paciente grávida anestesiada no RJ apodreça para sempre na cadeia, sem nenhum tipo de privilégio”, escreveu o presidente.
Giovanni Quintella Bezerra foi indiciado por estupro de vulnerável, informou a Polícia Civil de São João de Meriti (RJ) ao Poder360. A prisão foi conduzida pela delegada Bárbara Lomba, titular da DEAM (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), que registrou a ocorrência por volta de 1h. A pena prevista varia de 8 a 15 anos de reclusão.
O crime de estupro de vulnerável está tipificado no artigo 217-A, parágrafo 1º do Código Penal e dispõe sobre “ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com alguém que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não pode oferecer resistência”.
Segundo a DEAM, a filmagem foi feita por enfermeiras e técnicas do Hospital da Mulher de Vilar dos Teles por notarem que “as pacientes saíam do procedimento mais dopadas do que o normal”, o que não permitia a entrega imediata do bebê à mãe depois do parto.
Fonte: Poder 360