“Lúcido”, bolsonarista que matou petista diz vai se defender na Justiça

O policial penal Jorge Guaranho, que atirou e matou o tesoureiro do PT Marcelo Arruda, há duas semanas, em Foz do Iguaçu, no Parará, tem um prazo de dez dias para apresentar defesa perante a Justiça. Na quarta, 20, Guaranho foi denunciado pelo Ministério Público e se tornou réu no mesmo dia. No dia seguinte, o juiz Gustavo Germano Francisco Arguello determinou a citação do acusado no Hospital Ministro Costa Cavalcante.
Segundo o oficial de Justiça que esteve na unidade de saúde, Guaranho, que deixou a UTI e foi transferido para a enfermaria, estava lúcido e entendeu as acusações que lhe foram imputadas. 
Nas tentativas de contatos anteriores, o policial penal estava sedado e não conseguiu se comunicar com as autoridades. “O denunciado no ato de sua citação/intimação demonstrou-se apto a manifestar vontade e a receber a contrafé. Encontrava-se lúcido e compreendendo todo o teor da contrafé que lhe foi lida. Fez perguntas e respondeu todas as minhas indagações acerca do mandado”, disse o emissário judicial.