Parece ficção: tela microLED microscópica turbina lente de contato

Uma empresa americana está desenvolvendo um ousado dispositivo que parece ter saído de algum episódio de Black Mirror: são lentes de contato inteligentes que têm como objetivo colocar gráficos de realidade aumentada (AR) diante dos olhos dos usuários. A fabricante Mojo Vision desenvolve o aparelho desde 2015. Agora ela finalmente mostrou um protótipo que caminha para se tornar um produto final. Para navegar na interface, o dispositivo usa rastreamento ocular.
Apesar dos desafios para implementar recursos num tamanho diminuto, a empresa conseguiu instalar na pequena película uma espécie de tela microLED com 14 mil pixels por polegada, além de microbaterias microscópicas para dar energia à lente.

Mojo Lens deve ser a primeira lente de contato inteligente a ser comercializada no mundo — Foto: Divulgação/Mojo Lens
A lente apelidada de Mojo Lens é capaz de criar sobreposições visuais 3D com realidade aumentada. O CEO da marca, Drew Parkins, foi o primeiro a fazer a demonstração do produto no olho. O objetivo é que o usuário possa usar duas lentes de contato inteligentes simultaneamente, embora o executivo tenha testado apenas uma por vez durante uma hora de duração.
Na demonstração, Parkins via uma bússola e citações em um teleprompter na tela da lente de contato. Também foi exibida uma fotografia monocromática de Albert Einstein. No futuro, a ideia é tornar as tarefas do dia a dia mais fácil graças ao auxílio do aparelho.
Especificações e funções

Lentes ainda passarão por refinamentos e aperfeiçoamentos — Foto: Divulgação/Mojo Lens
Para funcionar, a lente possui um processador ARM M0. Além do consumo de energia reduzido, o chipset tem poder suficiente para gerenciar a tela microLED de 14 mil pixels por polegada. A fabricante ainda equipou o dispositivo com um circuito integrado de gerenciamento de energia proprietário.
Para navegar pela interface, as lentes rastreiam os olhos do usuário. O protótipo da lente necessita de um acessório semelhante a um colar. Essa peça abriga componentes como processador, GPU e um mecanismo de transmissão de rádio de 5 GHz, usado para transmitir dados para as lentes.
Lançamento
Até o momento não há previsão de lançamento da nova tecnologia. A empresa conta que os próximos passos são conseguir parceiros comerciais, investidores e conseguir com que jornalistas experimentem a lente. Para isso, a empresa caminha para refinar o produto para que cumpra os requisitos necessários para a aprovação na Federal Drug Administration (a Anvisa dos Estados Unidos).
Perking sugere que dentro de dez anos as pessoas estarão usando lentes de contato inteligentes para acompanhar, por exemplo, informações sobre saúde física e notificações de aplicativos como o Uber.
Com informações de Ars Technica